3 eventos ao vivo

PF prende suspeitos de planejar ato terrorista na Olimpíada

21 jul 2016
11h46
atualizado às 12h43
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Suspeitos planejavam ataque durante a Olimpíada do Rio
Suspeitos planejavam ataque durante a Olimpíada do Rio
Foto: Getty Images

A Polícia Federal realizou nesta quinta-feira (21) a prisão de um grupo que preparava atentados terroristas durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que começam no próximo dia 5 de agosto. Ao menos 10 brasileiros, em 10 estados diferentes do Brasil, foram presos na Operação Hashtag, que expediu 12 mandados de detenção temporária por 30 dias, podendo ser prorrogados por mais 30. Os outros dois suspeitos ainda não foram detidos, mas estão sendo monitorados.

Nenhum nome foi divulgado para manter o sigilo da investigação. Há um menor de idade na célula. Em uma coletiva de imprensa nesta manhã, o ministro da Justiça e da Cidadania, Alexandre de Moraes, disse que os detidos são brasileiros que conversavam através de redes sociais, entre elas o Telegram. Moraes ressaltou que o grupo não se encontrava pessoalmente e apenas dois membros se conheciam. Alguns já tinham realizado o "batismo" virtual, declarando apoio à organização extremista Estado Islâmico (EI, também chamado de Isis ou Daesh) nas redes sociais. "O máximo que houve foi uma comunicação entre os membros do grupo e um deles queria ir para o exterior, onde o Estado Islâmico atua, para fazer contato com eles. Mas o próprio membro admitiu que não conseguiria viajar por falta de dinheiro", disse Moraes.

Segundo o ministro, os presos se comunicavam pelas redes sociais WhatsApp e Telegram e estariam em atos preparatórios para elaborar um ataque, mas até o momento a investigação não descobriu nenhum alvo prioritário dos supostos terroristas. "Trata-se de uma suposta célula terrorista, uma primeira célula, que passou de mensagens suspeitas pela internet a atos preparatórios", disse o ministro. 

O ministro também informou que um membro da célula tentou comprar um fuzil AK-47 no Paraguai e que todos discutiam possibilidades de atentados. A Polícia Federal realizou as prisões sob acusação de atos preparatórios de terrorismo, com base na lei antiterrorismo, sancionada em março pela presidente afastada, Dilma Rousseff. "Houve um pedido do líder do grupo para os demais para pensarem em possibilidades de financiamento das ações", explicou Moraes. Segundo o ministro, por muito tempo a célula terrorista falava apenas em atentados no exterior. A possibilidade de cometer ataques no Brasil surgiu justamente com a proximidade dos Jogos Olímpicos.

Justiça

As prisões foram autorizadas pela 14ª Vara Federal de Curitiba. Em nota, o juízo esclareceu que a "Operação Hashtag", deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira, investiga possível participação de brasileiros em organização criminosa de alcance internacional, como uma célula do Estado Islâmico no País. Informações obtidas, dentre outras, a partir das quebras de sigilo de dados e telefônicos, revelaram indícios de que os investigados preconizam a intolerância racial, de gênero e religiosa, bem como o uso de armas e táticas de guerrilha para alcançar seus objetivos".

Segundo o juízo, os artigos 3º da Lei 13.260, de 16 de março de 2016, que trata sobre terrorismo prevê como crime: "Promover, constituir, integrar ou prestar auxílio, pessoalmente ou por interposta pessoa, a organização terrorista" e artigo 5º: "Realizar atos preparatórios de terrorismo com o propósito inequívoco de consumar tal delito".

"Para assegurar o êxito da operação e eventual realização de novas fases, os nomes dos presos, atualmente sob custódia da Polícia Federal, não serão divulgados neste momento. O processo tramita em segredo de Justiça", diz a nota. 

Ameaças

Na última segunda-feira (18), a reportagem da Agência Ansa divulgou a notícia de que um grupo no país, autoproclamado "Ansar al-Khilafah Brazil," declarou lealdade ao Estado Islâmico e submissão ao líder do califado, Abu Bakr al-Baghdadi.

Nos últimos dois dias, a especialista norte-americana em contraterrorismo Rita Katz, que trabalha no SITE Intelligence Group, disse que um canal no Telegram estava dando instruções para atentados nos Jogos Olímpicos do Rio. Entre as técnicas recomendadas, estão envenenamento, sequestros de reféns, acidentes de tráfico, divulgação de falsas ameaças, esfaqueamento e ataques a meios de transporte públicos. As mensagens nas redes sociais também pediram para que os chamados "lobos solitários" (pessoas que atuam sozinhas em ataques) se dirijam ao Brasil. Os posts das útimas 48 horas no Telegram sugerem até que os ataques nos Jogos do Rio sigam os modelos do atentado de 1972 em Munique. As Olimpíadas do Rio de Janeiro ocorrerão entre os dias 5 e 21 de agosto. Devido ao massacre em Nice, na França, quando Mohamed Bouhlel atropelou uma multidão e matou 84 pessoas, o governo brasileiro adotou medidas extras de segurança para os Jogos.

A estimativa é de que cinco mil homens da Força Nacional de Segurança Pública e 22 mil oficiais das Forças Armadas (14,8 mil do Exército, 5,9 mil da Marinha e 1,3 mil da Aeronáutica), além do contingente fixo do Rio de Janeiro, atuem durante as Olimpíadas. Apenas duas edições dos Jogos Olímpicos sofreram atentados terroristas na história. Em 1972, em Munique, 11 membros da delegação de Israel foram feitos reféns e mortos pelo grupo terrorista palestino Setembro Negro. Cinto terroristas também morreram e outros três foram presos na ocasião. Em 1996, durante os Jogos de Atlanta, uma bomba explodiu no Parque Centenário. Duas pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas. (ANSA)

Michel Temer

O presidente interino Michel Temer foi informado ontem (20) da operação da Polícia Federal.

Na manhã de hoje, Temer se reuniu no Palácio do Planalto com os ministros da Justiça, Alexandre de Moraes; do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen; e o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello Coimbra; para acompanhar a operação antiterrorista, com cooperação de diversas agências internacionais de inteligência.

 

*Com informações da Agência Brasil e Ansa

Veja também:

Polícia investiga ação do PCC nas eleições em SP
Fonte: Equipe portal
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade