0

Marcola e 21 do PCC são transferidos para presídios federais

Eles estão sendo levados para Mossoró, Brasília e Porto Velho

13 fev 2019
10h55
atualizado às 12h23
  • separator
  • 0
  • comentários

O governo de São Paulo transfere na manhã desta quarta-feira, 13, o principal líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), Marcos Willians Herbas Camacho, conhecido como Marcola, e outros 21 membros da cúpula da facção criminosa do presídio de Presidente Venceslau (SP) para unidades federais. A operação teve início na madrugada desta quarta. Desde novembro, quando foi descoberto um plano para resgatar os criminosos de São Paulo, havia expectativa de transferência dos membros do PCC para presídios federais.

Os presos estão sendo levados para unidades em Mossoró (RN), Brasília e Porto Velho (RO). O governo federal soltou um decreto específico autorizando o uso das Forças Armadas em Mossoró e Porto Velho para garantir a segurança dos presídios.

Sete integrantes do PCC foram transferidos porque haviam sido alvos da Operação Echelon, em 2018, que tinha com alvo o "departamento" da facção responsável por coordenar a atuação do grupo fora de São Paulo, o chamado Resumo dos Estados, subordinado diretamente à cúpula. Outros 15 presos encaminhados às unidades federais fazem parte da sintonia geral final da facção, ou seja, primeiro e segundo escalão. Policiais militares e civis e também agentes penitenciários da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) participaram da operação nesta quarta.

Marcola é o último grande líder de facção criminosa do País a ir para a rede de presídios federais. Já estão nessas unidades seus rivais do Comando Vermelho e da Família do Norte e seus aliados do Terceiro Comando Puro.

O Estado apurou que o plano inicial era esperar alta do presidente Jair Bolsonaro, pois se temia possíveis reações da facção em São Paulo, o que não aconteceu até agora. A decisão sobre a transferência foi tomada pelo secretário da Administração Penitenciária, Nivaldo Restivo. Em mais de cem unidades prisionais do Estado existe presença de integrantes do PCC, e todos os presídios de São Paulo estão passando por blitze simultâneas para evitar tumultos.

Os criminosos foram transferidos por decisão do juiz Paulo Zorzi, corregedor dos presídios, a pedido do promotor Lincoln Gakiya, do Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), de Presidente Prudente. "Essa é a maior operação já feita. Esperamos desarticular momentaneamente a cúpula da facção", afirmou Gakyia. O pedido, de 28 de novembro de 2018, solicitava a "transferência imediata em caráter excepcional de 15 presos, entre eles o Marcola".

"O governador João Dória tem deixado claro que pretende mudar o enfoque no enfretamento do crime organizado no Estado. Portanto, a operação está dentro de um planejamento e, muito provavelmente, existe um plano de contigência para eventuais retaliações", afirmou o diretor presidente do Fórum Brasileiro de Segurança, Renato Sérgio de Lima. Segundo ele, a principal ideia é desestabilizar o PCC em São Paulo num momento em que a facção está em guerra em outros Estados, como Ceará, Rio Grande do Norte e Amazonas. "Os cuidados devem estar sendo tomados. O PCC pode estar debilitado, mas não está morto. Está longe de estar morto. Alguma reação é esperada, mas pode não ser em ataques. É preciso lembrar que não existe vácuo de poder. Se o Marcola sair de cena, outro assumirá o seu posto. A inteligência precisa trabalhar para sabem quem vai estar no comando", disse.

O governador de São Paulo, João Doria, e a cúpula da Secretaria da Segurança Pública (SSP) convocaram uma coletiva de imprensa às 14 horas para falar sobre a transferência dos presos.

Plano de resgate

A inteligência policial detectou planos da facção em outubro e novembro de 2018 de matar autoridades judiciais, o ex-secretário do governo da SAP Lourival Gomes, um diretor de presídio e um deputado estadual caso Marcola fosse transferido para o sistema federal. Todos estão com escolta reforçada desde que a Justiça confirmou que ia deferir o pedido de tranaferência dos presos.

De acordo com o MP, havia um plano de resgate de integrantes do PCC que estavam na Penitenciária de Segurança Máxima de Presidente Venceslau. Os alvos do resgate seriam Marcola e outros membros da facção. O aeroporto de Presidente Venceslau fica a apenas 2 quilômetros, cerca de seis minutos, da unidade prisional.

Segundo o MP, na mesma ação, o líder havia sido condenado recentemente há 30 anos de prisão pela comarca de Presidente Venceslau. O total de penas impostas a Marcola já ultrapassa 300 anos.

O plano de resgate seria comandado por outro membro do PCC, Gilberto Aparecido dos Santos, conhecido como 'Fuminho'. Ele fugiu da casa de detenção em 1999, é procurado pela justiça e teria se estabelecido na Bolívia, de onde enviava drogas e armas para Brasil, Europa, Ásia e África, diz o documento do MP.

Entre os integrantes do grupo que iria resgatar Marcola, tinha bandidos que já haviam participado de roubos contra empresas de valores.

Ainda de acordo com a Promotoria, a facção teria investido dezenas de milhões de dólares nesse plano de resgate, inclusive com a compra de veículos blindados, aeronaves e armamentos.

Membros do PCC foram transferidos quatro meses após descoberta de plano de resgate
Membros do PCC foram transferidos quatro meses após descoberta de plano de resgate
Foto: Divulgaçao / Estadão Conteúdo

O plano de resgate incluía o bloqueio de rodovias e o ataque à penitenciária de Presidente Venceslau e também o ataque ao Batalhão da Polícia Militar, além do corte de energia e comunicações nas unidades policiais do entorno.

"A equipe que iria resgatar Marcola se dividiria em várias frentes, uma delas iria bloquear a Rodovia Raposo Tavares, a outra iria atacar a polícia e uma outra iria tentar impedir a decolagem do helicóptero Águia da PM do aeroporto de Presidente Prudente, que fica na região", diz o MP.

Ainda segundo os promotores, o plano previa que eles seriam resgatados da prisão e levados para um aeroporto no norte do Paraná, de onde partiriam em outra aeronoave para o Paraguai ou a Bolívia.

A descoberta desse plano fez com que o aeroporto fosse fechado por um mês. O aeroporto foi fechado no dia 10 de outubro de 2008, inclusive com colocação de barreiras físicas na pista por determinação da justiça.

Drone

Mesmo com o reforço da segurança policial no entorno do presídio, no dia 27 de outubro uma câmera registrou um sobrevoo de um drone nas imediações da cadeia.

"Podia ser um sinal de que um plano de resgate estaria em ação", diz o MP. Segundo a ação, os drones seriam usados pelo PCC para fazer filmagens e o reconhecimento do local antes do resgate.

Presídios federais

Diante do plano de resgate, o MP pediu a transferência alegando que havia "altíssimo risco de confronto armado na cidade e também devido ao grau de periculosidade dos presos".

A transferência iria dificultar que as ordens do PCC chegassem a outros membros da facção fora do presídio. Nas penitenicárias federais, não há acesso a TV, rádio ou jornal, nem visita íntima.

O que é o PCC?

O PCC movimenta quase 800 milhões de dólares por ano no Brasil e tem cerca de 30 mil membros.

É a maior organização criminosa da América do Sul, com ligações com a máfia da Calábria (sul da Itália) passou a dominar o envio de cocaína da Bolivia para a Europa por meio de portos no Nordeste, Sudete e Sul do País.

Veja lista dos transferidos

- Lourinaldo Gomes Flor ('Lori')

- Marcos Williams Camacho ('Marcola')

- Pedro Luís da Silva ('Chacal')

- Alessandro Garcia de Jesus Rosa ('Pulft')

- Fernando Gonçalves dos Santos ('Colorido')

- Patric Velinton Salomão ('Forjado')

- Lucival de Jesus Feitosa ('Val do Bristol')

- Cláudio Barbará da Silva ('Barbará')

- Reginaldo do Nascimento ('Jatobá')

- Almir Rodrigues Ferreira ('Nenê de Simone')

- Rogério Araújo Taschini ('Taschini'/'Rogerinho')

- Daniel Vincius Canônico ('Cego')

- Márcio Luciano Neves Soares ('Pezão')

- Alexandre Cardoso da Silva ('Bradok')

- Julio Cesar Guedes de Moraes ('Julinho Carambola')

- Luis Eduardo Marcondes Machado de Barros ('Du da Bela Vista')

- Celio Marcelo da Silva ('Bin Laden')

- Cristinao Dias Gangi ('Crisão')

- José de Arimatéia Pereira Faria de Carvalho ('Pequeno')

- Alejandro Juvenal Herbas Camacho Marcola Júnior ('Marcolinha')

- Reinaldo Teixeira dos Santos ('Funchal')

- Antonio José Muller Junior ('Granada')

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade