0

Jornais estrangeiros veem discurso de Dilma 'rejeitado' e 'hora da verdade'

23 jun 2013
04h07
atualizado às 04h16
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

"É muito difícil entender o que acontece agora no Brasil". Assim começa artigo do correspondente Francisco Peregil, destacado como uma das principais manchetes da versão online do jornal espanhol El País com o emblemático título: "Brasil, chegou a hora da verdade".

A cada novo dia de protestos a imprensa estrangeira amplia sua cobertura e o espaço dedicado ao que o The New York Times chama de "varredura no País". 

Nesta sexta, os principais veículos do mundo evitaram comentários sobre o conteúdo do discurso da presidente Dilma Rousseff. Apesar de algumas críticas sobre uma alegada "tardia mostra de humildade após doze dias de protestos", como escreveu o El País, poucos analistas internacionais arriscaram se posicionar e opinar se o pacto proposto por Rousseff conseguirá ou não acalmar as manifestações.

Um dia depois, porém, após violentos incidentes nos arredores dos estádios de Salvador e Belo Horizonte que receberam jogos da Copa das Confederações, a imprensa mundial cravou: "os manifestantes rejeitaram furiosamente os esforços de Dilma", publicou o The New York Times.

No português Correio da Manhã, Dilma foi acusada de realizar um discurso "vazio" e "com ideias antigas": "o Programa de Mobilidade Urbana, principal proposta de Dilma para satisfazer os movimentos estudantis, já foi apresentado em 2007, pelo ministro das Cidades Márcio Fortes e, um ano depois, com as mesmas medidas, pela ministra do Turismo Marta Suplicy. Além disso, o discurso da presidente foi ouvido como ameaçador, por repetir que o governo não 'transigirá com atos violentos', e que reprimirá 'a minoria autoritária', que tem promovido vandalismos".

“Por que isso acontece com Dilma e não houve com Lula? Uma resposta fácil seria dizer que Lula é uma figura mais carismática. Isso explica uma parte, mas creio que o Brasil passa por um processo de inclusão de amplos setores. Com Lula isso estava a pleno vapor, e não creio que tenha esgotado. Mas agora há uma inconformidade difusa, não articulada com demanda específica, de pessoas que vivem o paradoxo dessa inclusão. As pessoas compram um smartphone, mas notam que não possuem controle sobre sua vida cotidiana. A questão dos serviços foi central nos protestos", avaliou o professor da USP Raphael Neves, em entrevista veiculada no argentino Clarín, que explora bastante em suas reportagens questões sobre a personalidade da presidente.

Dilma apoia manifestações, mas condena atos de vandalismo

No inglês The Guardian, a ligação entre os protestos e os grandes eventos que o País sediará nos próximos anos é evidenciada. "as favelas estão na frente do protesto e os brasileiros perguntam: a Copa do Mundo é para quem?"

As dúvidas pairam na visão estrangeira sobre os acontecimentos nas grandes cidades porém. De ponto comum, os jornais de diversos países apenas concordam que o momento é histórico. 

Protestos contra tarifas mobilizam população e desafiam governos de todo o País

Mobilizados contra o aumento das tarifas de transporte público nas grandes cidades brasileiras, grupos de ativistas organizaram protestos para pedir a redução dos preços e maior qualidade dos serviços públicos prestados à população. Estes atos ganharam corpo e expressão nacional, dilatando-se gradualmente em uma onda de protestos e levando dezenas de milhares de pessoas às ruas com uma agenda de reivindicações ampla e com um significado ainda não plenamente compreendido.

A mobilização começou em Porto Alegre, quando, entre março e abril, milhares de manifestantes agruparam-se em frente à Prefeitura para protestar contra o recente aumento do preço das passagens de ônibus; a mobilização surtiu efeito, e o aumento foi temporariamente revogado. Poucos meses depois, o mesmo movimento se gestou em São Paulo, onde sucessivas mobilizações atraíram milhares às ruas; o maior episódio ocorreu no dia 13 de junho, quando um imenso ato público acabou em violentos confrontos com a polícia.

A grandeza do protesto e a violência dos confrontos expandiu a pauta para todo o País. Foi assim que, no dia 17 de junho, o Brasil viveu o que foi visto como uma das maiores jornadas populares dos últimos 20 anos. Motivados contra os aumentos do preço dos transportes, mas também já inflamados por diversas outras bandeiras, tais como a realização da Copa do Mundo de 2014, a nação viveu uma noite de mobilização e confrontos em São PauloRio de JaneiroCuritibaSalvadorFortalezaPorto Alegre e Brasília.

A onda de protestos mobiliza o debate do País e levanta um amálgama de questionamentos sobre objetivos, rumos, pautas e significados de um movimento popular singular na história brasileira desde a restauração do regime democrático em 1985. A revogação dos aumentos das passagens já é um dos resultados obtidos em São Paulo e outras cidades, mas o movimento não deve parar por aí. “Essas vozes precisam ser ouvidas”, disse a presidente Dilma Rousseff, ela própria e seu governo alvos de críticas.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade