PUBLICIDADE

Aluna agride colega com pedradas dentro de escola no Rio de Janeiro

Escola informou que a menina foi transferida para outra unidade e que todas as queixas de bullying foram apuradas

2 abr 2024 - 13h06
(atualizado às 14h30)
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
Um menino de 13 anos foi agredido por uma colega dentro da Faetec de Marechal Hermes, no Rio de Janeiro, enquanto jogava vôlei. A menina o atacou com uma pedra. A vítima precisou de atendimento médico.
Menina usou uma pedra para agredir aluno de 13 anos no Rio
Menina usou uma pedra para agredir aluno de 13 anos no Rio
Foto: Reprodução/TV Globo

Um menino de 13 anos foi agredido por uma colega dentro da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) de Marechal Hermes, na zona norte do Rio de Janeiro, enquanto jogava vôlei. A menina usou uma pedra para bater na cabeça dele. Segundo a família, ele já teria sofrido outra agressão e também bullying dentro da instituição. 

O caso ocorreu no último dia 25, mas ganhou repercussão nesta semana. Nas imagens veiculadas pela Globo Rio, é possível ver a menina batendo várias vezes na cabeça de Arthur Schuidt, que está no 8º ano. 

A confusão teria começado quando ele e outros alunos jogavam vôlei, e a bola bateu na estudante. Ela não teria gostado e os dois brigaram. Segundo a mãe da vítima, Danielle Schuidt, a turma separou os dois, mas a menina voltou com uma pedra e atacou seu filho. Mais uma vez, foi o grupo de alunos que acabou com as agressões. 

“Ele ficou muito machucado e não tinha ninguém ali para dar um suporte, um apoio. Os próprios alunos que separam, tiraram ele dessa situação, porque se não fossem os alunos, eu não sei o que aconteceria. Ia ser uma coisa muito mais séria, muito mais grave", disse à emissora. 

Danielle reforça que não havia nenhum funcionário da escola para apartar a briga, e que o inspetor só acompanha os alunos até o refeitório, mas não pelo campus. "Eu questionei isso, e foi falado que os vigilantes que tem aqui são patrimoniais, não tem ninguém para tomar conta dessas crianças no campus. Aqui são vidas, são os nossos filhos que a gente deixa aqui e a gente não sabe como vai receber de volta”, desabafa. 

Após a agressão, Arthur foi socorrido até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Marechal Hermes, e depois levado a um hospital particular da cidade. Ele precisou levar pontos na cabeça devido ao ferimento. Já a menina, foi transferida da Faetec. 

"Em outros momentos já houve agressão dele também, muito bullying acontecendo com ele. A escola me acolheu, acolheu meu filho. Eu sou uma mãe atípica, faço tudo pelo meu filho, a escola deu esse suporte, mas a conscientização  tem que vir de muitas outras áreas. A escola fez até onde a direção pode fazer. O que falta aqui é monitor nesse campus, olhando por essas crianças", salienta. 

Em nota ao Terra, a Faetec informou que os dois alunos envolvidos no ocorrido são assistidos pela Sala de Recursos Multifuncionais da unidade, que oferece atendimento educacional especializado a estudantes com deficiências ou transtornos. 

“A unidade informa que a situação foi encaminhada imediatamente para o Serviço Social da Faetec e para o Conselho Tutelar da região e está sendo acompanhada pela equipe de orientação educacional da escola. Após transferir a aluna para outra unidade, a Faetec aproveitou para potencializar junto aos responsáveis a necessidade de seguir, conforme orientado, o tratamento indicado pelos especialistas da rede”, diz o posicionamento. 

A Faetec também alega que todas as queixas de bullying foram apuradas e os responsáveis foram convocados, e houve conciliação das partes envolvidas. “A escola vem trabalhando o tema a respeito das relações humanas por meio de atividades pedagógicas, como a realização de rodas de conversas com alunos e confecção de cartazes, reforçando sempre as condutas de respeito e a inclusão.”

Arthur já retomou as aulas e recebe orientação educacional e atendimento da equipe de especialistas em educação especial da escola, conforme a instituição. Para evitar que mais situações como essa ocorre, a unidade fará remanejamento de vigias para reforçar a segurança na unidade.

À reportagem, Polícia Civil informou o caso foi registrado na 30ª DP (Marechal Hermes) e diligências estão em andamento para esclarecer todos os fatos.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade