PUBLICIDADE

Braskem tem que acelerar trabalhos de fechamento de minas em Maceió, diz ministro

1 dez 2023 - 11h59
(atualizado às 15h56)
Compartilhar
Exibir comentários

A Braskem precisa apressar os trabalhos de preenchimento de minas de extração de sal sob a superfície de Maceió como forma de se evitar uma repetição do afundamento ocorrido nesta semana que tem causado alarme na cidade, afirmou o ministro dos Transportes, Renan Filho, nesta sexta-feira.

A atividade de extração de sal sob a capital alagoana vinha sendo realizada desde os anos de 1970, mas foi interrompida em 2019 após bairros da cidade passarem a registrar rachaduras em ruas e em edifícios diante da movimentação de enormes cavidades criadas com a mineração.

Desde então, cerca de 50 mil pessoas foram retiradas de cinco bairros da cidade por precaução em meio ao registro constante de sismos e movimentações do solo.

"Isso tem demorado muito", disse Renan Filho em entrevista à CNN Brasil nesta sexta-feira, referindo-se aos trabalhos da Braskem para o fechamento e estabilização das minas em Maceió.

"A empresa tem que acelerar este cronograma para que não vejamos essas movimentações... Isso aterroriza", acrescentou o ministro, que é alagoano e foi governador do Estado de 2015 a 2022.

O ministro afirmou que tem mantido contato com autoridades locais e defendeu uma maior participação do governo federal nos trabalhos de solução da crise.

Na manhã desta sexta-feira, a prefeitura da cidade informou à Reuters que desde a véspera a situação da região, que fica também próxima da lagoa Mundaú, seguia a mesma, com o solo cedendo cerca de 5 centímetros por hora. Na quarta-feira, a Defesa Civil de Alagoas emitiu um alerta de colapso iminente da mina 18 da Braskem, no bairro de Mutange.

Em entrevista à CNN Brasil, o ministro da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, afirmou que a área tem sido constantemente monitorada e que há planos de contingência preparados para ações rápidas. Segundo ele, o ritmo com que o solo vem cedendo desacelerou, mas não é possível descartar com certeza a chance de um desastre.

"Nós estamos lidando com a possibilidade de desastre. E no desastre tem muita imprevisibilidade", disse Góes à emissora.

"Não posso garantir que a gente vá poder comemorar as próximas horas nessa mesma direção de diminuir a possibilidade de risco de acontecer um novo evento ou talvez voltar à imprensa e dizer: 'olha, acelerou o processo'", afirmou.

A iminência de um desastre de proporções preocupantes pode dar fôlego às movimentações para a instalação, no Senado, de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), avaliou uma fonte da Casa. Criada a partir de requerimento do senador Renan Calheiros (MDB-AL), no fim de outubro, a CPI ainda não foi instalada, porque líderes de bancada não concluíram a indicação de nomes para compor o colegiado.

Na avaliação dessa fonte, a demora na indicação dos integrantes da CPI poderá cobrar seu custo político.

Maceió tem sob sua superfície 35 minas de sal-gema, mineral usado na produção química da Braskem. A companhia reservou 14,4 bilhões de reais desde o início da crise para compensação de moradores e entes públicos, além dos trabalhos para estabilização das minas.

As ações da Braskem recuavam cerca de 10% nesta sexta-feira, maior queda do Ibovespa.

Procurada nesta sexta-feira sobre os comentários do ministro, a Braskem não pôde comentar o assunto de imediato. Um dia antes do alerta da Defesa Civil de Alagoas, a empresa afirmou que esperava concluir no início de 2024 as ações do plano de realocação e compensação de moradores de Maceió e encerrar até 2025 o fechamento das minas.

"O ritmo desse cronograma tem que ficar claro, se não pode acelerar, eles têm que dizer por que não pode", disse Renan Filho na entrevista, comparando o desastre a outros de grandes proporções ocorridos no mundo, como o da explosão da usina nuclear de Chernobyl, em 1986, que também obrigou um êxodo de milhares de pessoas.

A crise na mina 18, que, segundo Renan Filho, seria uma das próximas a ser preenchida para estabilização, ocorre em um momento em que o nível de alavancagem da Braskem disparou, pressionado por um quadro de excesso de oferta de petroquímicos no mercado global e demanda lenta, e afetado ainda pelos desembolsos relacionados a Maceió.

A intensificação da movimentação do solo na região também ocorre em um momento em que a Novonor, ex-Odebrecht, recebeu propostas de interessados na compra de sua participação na Braskem. O grupo petrolífero de Abu Dhabi Adnoc anunciou em novembro uma oferta de 10,5 bilhões de reais pela fatia.

A Braskem foi intimada na quinta-feira sobre decisão da Justiça em ação de autoridades federais e de Alagoas relacionada à movimentação da mina 18. O valor atribuído à ação pelos autores é de 1 bilhão de reais.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade