PUBLICIDADE

Brasil apela ao Papa por clemência a brasileiro na Indonésia

Dilma Rousseff tentou interceder e pediu clemência pelo brasileiro junto ao seu colega indonésio; a presidente não teve sucesso

16 jan 2015 17h11
| atualizado em 17/1/2015 às 08h50
ver comentários
Publicidade
<p>Marco Archer Cardoso Moreira deve ser executado no próximo domingo (18/01) na Indonésia, ele é acusado de traficar drogas no país</p>
Marco Archer Cardoso Moreira deve ser executado no próximo domingo (18/01) na Indonésia, ele é acusado de traficar drogas no país
Foto: Beawiharta / Reuters

O assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, disse nesta sexta-feira que encaminhou um arquivo à representação da Santa Sé no Brasil.

No documento, um dossiê relata com detalhes o caso do brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, que deve ser executado na Indonésia por volta das 15 horas deste sábado (já domingo, no horário local)..

A intenção, segundo ele, é que o documento possa chegar ao conhecimento do Papa Francisco que poderia interceder pela vida do brasileiro.

“Mantive contato com a Nunciatura Apostólica e fiz chegar à representação da Santa Sé no Brasil um pequeno dossiê com os dados dessa execução. Me foi assegurado que seria enviado à Secretaria de Estado do Vaticano para que Sua Santidade pudesse interceder em favor de uma atitude de clemência por parte do governo indonésio”, disse Garcia.

Em conversa com jornalistas, o assessor especial chegou a dizer que é preciso esperar que “um milagre” possa reverter a situação.

Brasileiro que será executado divulga mensagem de clemência:

Pela manhã, a presidenta Dilma Rousseff conversou por telefone com o presidente da Indonésia, Joko Widodo. Ela fez um pedido de clemência em favor de Moreira e de outro brasileiro, Rodrigo Muxfeldt Gularte - ambos estão presos por tráfico de drogas naquele país.

Widodo respondeu que não poderia atender ao apelo de Dilma, apesar de compreender a preocupação dela com os cidadãos brasileiros.

O presidente indonésio ressalvou que todos os trâmites jurídicos foram seguidos, conforme as leis do país, e que os brasileiros tiveram garantido o devido processo legal.

 

Agência Brasil Agência Brasil
Publicidade
Publicidade