PUBLICIDADE

Bolsonaro e Lula prometem manter Auxílio Brasil em R$ 600 ano que vem

Ambos asseguram que programa que substituiu Bolsa Família seguirá com o valor atual; Ciro critica afirmação de presidente sobre a economia "estar bombando"

28 ago 2022 - 22h59
(atualizado em 29/8/2022 às 00h39)
Compartilhar
Exibir comentários
Bolsonaro e Lula prometem manter Auxílio Brasil em R$ 600 ano que vem
Bolsonaro e Lula prometem manter Auxílio Brasil em R$ 600 ano que vem
Foto: Poder360

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que a economia brasileira "está bombando" ao ser questionado sobre como fará para conseguir os recursos necessários para manter o Auxílio Brasil nos atuais R$ 600. Segundo o candidato à reeleição, o Brasil nunca recebeu tantos investimentos externos como em sua gestão e afirmou ainda que seu governo está dando certo, sem citar taxas de desemprego e de inflação, por exemplo.

Para Ciro Gomes (PDT), no entanto, "tudo está fora do lugar". "Me choca ouvir o presidente dizer que a economia tá bombando se apenas entre os desalentados são 5 milhões de pessoas que deixaram de procurar emprego. No total, são 50 milhões de pessoas esfoladas, vivendo na informalidade."

O segundo bloco do 1º debate presidencial na TV foi marcado por embates diretos entre os candidatos e temas relacionados à economia e pautas de comportamento. Tanto Bolsonaro como o ex-presidente Lula afirmaram que têm a intenção de manter o valor atual do auxílio que substituiu o Bolsa Família em R$ 600 também em 2023.

"Logicamente esse auxílio se aproxima do mínimo necessário para a pessoa sobreviver. De onde tirar dinheiro? Tenho conversado com a equipe econômica. Conseguimos negociar os precatóros. Para o PT, quando pior estiver o povo mais pobre, melhor para eles fazerem política", acusou Bolsonaro.

Lula rebateu dizendo que a promessa do presidente não está oficializada na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) enviada ao Congresso Nacional por seu governo. A LDO é a lei que prevê como devem ser usados os recursos do orçamento. "Há uma mentira no ar. Não está na LDO. E é uma inverdade dizer que o PT é contra o auxílio de R$ 600. Nós temos reivindicado isso há dois anos. Mas essa política precisa ser feita em continuidade juntamente com uma política de geração de empregos", afirmou o petista.

O uso político da religião também foi tema do segundo bloco do debate, assim como a pauta feminina. Simone Tebet (MDB), Soraya Thronicke (União Brasil) defenderam a liberdade religiosa, o Estado laico e a busca por equidade salarial entre homens e mulheres.

Simone disse que ser feminista é defender o direito das mulheres. Olhar para mulheres nas ruas, defender a lei de igualdade salarial que está parada no Congresso. "Precisamos de uma mulher para arrumar a casa", disse.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade