0

André Mendonça demite diretor após dossiê de antifascistas

Segundo o Ministério da Justiça, Mendonça determinou a instauração de uma sindicância interna para apurar o trabalho da secretaria.

3 ago 2020
20h48
atualizado às 21h00
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
André Luiz de Mendonça, advogado-geral da União indicado por Jair Bolsonaro ao cargo
André Luiz de Mendonça, advogado-geral da União indicado por Jair Bolsonaro ao cargo
Foto: AGU/Ascom/Divulgação / Estadão Conteúdo

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, André Mendonça, anunciou nesta segunda-feira, 3, a demissão do diretor de Inteligência da Secretaria de Operações Integradas (Seopi), Gilson Libório de Oliveira Mendes. O órgão vinculado à pasta foi responsável por monitorar opositores ao governo de Jair Bolsonaro. A substituição foi anunciada logo após o Estadão mostrar que toda a cúpula da secretaria foi trocada por Mendonça após a saída do ex-ministro Sérgio Moro.

O trabalho da secretaria virou alvo do Ministério Público após o portal UOL revelar que o órgão produziu um dossiê com informações de 579 professores e policiais identificados pelo governo como integrantes do "movimento antifascismo".

Em nota, a assessoria de comunicação do Ministério da Justiça informa que Mendonça determinou nesta segunda-feira a instauração de uma sindicância interna para apurar o trabalho da secretaria. E a primeira providência foi o afastamento do diretor de inteligência.

Coronel reformado do Exército, Libório assumiu a vaga em substituição a Fábio Galvão da Silva Rêgo, delegado da PF, que havia sido nomeado na gestão do então ministro da Justiça Sérgio Moro.

A divulgação da existência do relatório contra antifascistas gerou reação de parlamentares: Mendonça recebeu três pedidos de convocação para prestar depoimento ao Congresso Nacional e três requerimentos de informação feitos por deputados e senadores. Além disso, partidos políticos provocaram o Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar o caso.

Parlamentares pretendiam ouvir o ministro nesta terça-feira, 4, em audiência virtual. Mendonça, no entanto, avisou que não poderia ir. O argumento é de que por ser um assunto sigiloso, não poderia ser tratado em uma sessão virtual, aberta ao público.

O Ministério da Justiça disse que o ministro está à disposição do Congresso para prestar esclarecimentos e que Mendonça abriu a possibilidade de receber os parlamentares em seu próprio gabinete.

Em entrevista ao canal GloboNews no domingo, Mendonça afirmou que não pode nem confirmar e nem negar a existência de relatórios de inteligência por determinação legal. Na ocasião, ele disse que aguardaria o resultado da apuração interna para se posicionar sobre o assunto. "Se for verificado que há qualquer atuação persecutória, ilegítima, essa pessoa não tem condições de continuar trabalhando comigo", afirmou.

 

Veja também:

A igreja que conecta fiéis a Deus com a ajuda do álcool
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade