PUBLICIDADE

Dia Internacional da Mulher Indígena: “Todo dia é nosso dia”

Data homenageia a liderança Bartolina Sisa, símbolo das resistências indígenas e camponesa na história colonial da América do Sul

5 set 2022 - 10h58
(atualizado às 11h02)
Compartilhar
Exibir comentários
O feminismo das brancas não serve para a mulher indígena e muitas não estão preparadas para esse assunto.
O feminismo das brancas não serve para a mulher indígena e muitas não estão preparadas para esse assunto.
Foto: Reprodução/Instagram

Dia Internacional da Mulher Indígena é celebrado anualmente, no dia 5 de setembro, como um marco de apoio à luta das mulheres indígenas por justiça social e em defesa dos direitos individuais e coletivos de seus povos.

A data homenageia a liderança Bartolina Sisa, símbolo das resistências indígenas e camponesa na história colonial da América do Sul. De acordo com a ONU Mulheres, a data reconhece a continuidade do protagonismo histórico das mulheres indígenas desempenhado tanto no passado, quanto no tempo presente, como agentes de transformação social em suas famílias e comunidades, bem como guardiãs dos modos de vida nativos da América.

“Todo dia é nosso dia” essa frase é clichê, mas esse clichê é verdadeiro, pois nós indígenas mulheres estamos presentes milhares de anos antes da colonização. A colonização chegou aqui tirando nossa humanidade, nos impondo as regras do gênero que não criamos, apagando nossa existência e esse apagamento continua até hoje.

Na burguesia, mulheres brancas lutaram por uma emancipação enquanto as negras eram escravizadas em suas casas. E as mulheres indígenas não eram vistas como mulheres. O feminismo das brancas não serve para a mulher indígena e muitas não estão preparadas para esse assunto. Então seguimos na articulação para colocar nossas representantes no planalto e lutarmos por políticas públicas que nos contemplem.

Mulheres indígenas são violentadas fora e dentro das aldeias e a grande maioria delas não denunciam as violências, seja por represarias ou falta de atendimento digno dentro das delegacias. Falar dessas violências e lutar contra elas é de extrema urgência.

Para conhecer a arte, contextos e vida dessas indígenas mulheres, deixo aqui uma lista de 10 mulheres indígenas para seguir no Instagram.

Chirley Pankará

Sonia Barbosa

Potyratê Tupinambá

Majur Harachell Traytowu

Puyr Tembé

Andrya Kiga

Day Molina

Bria de la Cordilleras

Jessyca Yakecan Potyguara

Fonte: Redação Nós
Compartilhar
Publicidade
Publicidade