PUBLICIDADE

Ótimos jogos que a Epic Games Store já deu

Vive pegando jogos gratuitos da Epic Games, mas não sabe por onde começar a jogar? Veja as melhores opções!

9 set 2021 08h00
ver comentários
Publicidade
Foto: Epic Games

Poucas coisas são mais atrativas ao público brasileiro — e, convenhamos, a todos os outros — que produtos grátis. Tendo isso em vista, a Epic Games Store, responsável pelo fenômeno multi-milionário Fortnite, entrega um game grátis por semana desde 2019 para quem estiver cadastrado na plataforma. A depender da época do ano, esse número pode crescer também, como nas promoções de natal; isso significa que, se você é um colecionador assíduo, provavelmente tem vários jogos no seu backlog da biblioteca.

Por isso, preparamos uma singela lista com alguns dos melhores jogos que a Epic Games Store já deu, sejam eles títulos bastante famosos ou joias raras escondidas que não recebem tanta atenção quanto deveriam. E um adendo para quem for fã da franquia Alien, de Ridley Scott: não se preocupe! A Epic disponibiliza o jogo Alien: Isolation pelo menos 3 vezes por ano. Motivos? Vai saber…

Jogos famosos

Começamos então pelos famigerados títulos famosos, conhecidos, muitas vezes, como jogos AAA ou equivalentes. A terminologia AAA, no caso, diz respeito àquelas produções grandes, que conseguem se pagar e são criadas por estúdios já consagrados na cena. Então não, não tem a ver com pilhas, no caso.

Outros títulos que decidi colocar aqui são aqueles relativamente bem conhecidos, ainda que não feitos, necessariamente, por empresas de grande porte. Enfim, um pouco arbitrária a escolha, mas faz parte da vida.

Alien Isolation

Começando pelo sucesso absoluto do gênero suvival horror nos últimos anos, Alien Isolation é um queridinho da própria Epic Games Store. O jogo já foi dado pelo menos 3 vezes em ocasiões totalmente diferentes, então é aquilo, se você ainda não teve a oportunidade de jogá-lo, basta esperar que com certeza ele vai aparecer novamente.

Controlando Amanda Ripley, filha da lendária Ellen Ripley, você deve navegar pela estação espacial Sebastopol em busca de pistas sobre o paradeiro de Ellen Ripley, desaparecida há 15 anos. Claro que, ao chegar na estação, tudo foi para o inferno e a nossa persistente protagonista precisará sobreviver se quiser encontrar sua mãe.

Amnesia: The Dark Descent e A Machine for Pigs

Outro sucesso estrondoso no gênero de horror, Amnesia: The Dark Descent e seu descendente (trocadilho interlinguístico não intencional) A Machine for Pigs são títulos fundamentais para qualquer entusiasta dos jogos. O título envelheceu relativamente bem, o que garante boas horas de diversão e sustos para você e seus amigos.

Por trás dos jumpscares há uma história surpreendente e muito cativante que demonstra as consequências da busca do homem pela imortalidade. Como Daniel, protagonista, você deve buscar respostas para tudo, já que, nos é mostrado logo ao início, que você mesmo decidiu apagar sua memória.

Batman: Arkham Collection

O consenso entre os fãs do homem-morcego e dos jogadores de videogame é que a franquia Batman: Arkham é definitivamente uma das melhores representações do jovem Bruce Wayne nos jogos. Com milhões de fãs mundo afora, é natural que os games, tendo o calibre que têm, sejam famosos e desejados.

Lá em 2019 a Epic Games Store deu Batman: Arkham Collection, um compilado de três jogos da franquia: Arkham Asylum, Arkham City e Arkham Knight. Ou seja, três jogos em um. Pelo amor de deus, Epic, eu preciso trabalhar e estudar nessa vida também, poxa.

Borderlands: The Handsome Collection

Em mais um caso de desespero causado por ainda mais jogos gratuitos, a Epic Games deu Borderlands: The Handsome Collection, compilação de dois jogos da série: Borderlands 2 e Borderlands The Pre-Sequel. É bastante tempo para ouvir o CL4P-TP fazer piadas infames e péssimas, talvez até mais do que humanos normais aguentariam. De qualquer maneira, é um ótimo passatempo.

Civilization 6

Praticamente um destruidor de amizades tão bom quanto Among Us, mas muito mais demorado, Civilization 6, ou, para os íntimos, o Civizinho nosso de cada dia, é um simulador de 4X (explorar, extrair, expandir e exterminar) amplo e completo que pode ser jogado em multiplayer ou sozinho. O fato dele ter sido dado gratuitamente pela Epic fez com que muitos novos jogadores aproveitassem a deixa para aprender a jogar.

Football Manager 2020

A edição do ano passado do jogo mais querido dos amantes estratégicos de futebol também foi dada pela Epic. Mesmo eu, que não sou um fã assíduo do esporte, acho a premissa interessante, principalmente quando você tira, por exemplo, um Doncaster Rovers da terceira divisão inglesa e tenta transformá-los nos campeões da Champions League. Fácil? Não, mas divertido.

GTA V

Possivelmente um dos jogos mais famosos e jogados da última década, GTA V também já figurou nas listas de games gratuitos da plataforma. É muito interessante como GTA 5 não envelheceu nada desde que foi lançado, com centenas de mods disponíveis, bastante diversão e até sessões de RP — roleplay, como em RPG’s mais tradicionais — das mais variadas.

O fato dele ter sido dado gratuitamente também ajudou a aumentar a base de jogadores, que, convenhamos, nunca foi pequena. Se você entrar em qualquer plataforma de games neste exato momento, poderá ver a quantidade de gente passando o tempo no quinto título da franquia Grand Theft Auto.

Metro 2033 Redux e Metro Last Light Redux

A saga, baseada nos livros homônimos, é um panorama interessante sobre o futuro pós-apocalíptico da humanidade pelos olhos dos russos. Claro, não é a primeira vez e nem o primeiro título do grande país eslavo que rompe as barreiras da língua, como S.T.A.L.K.E.R. e Pathologic, mas é importante por representar tão bem a sobrevivência do homem em cenários catastróficos.

Não por acaso, há ideologias discrepantes em combate pelo domínio do metrô, único modo de sobrevivência até então, e mutantes destruindo estações que, por sua vez, ficam cada vez mais danificadas e precisam ser abandonadas. Metro 2033 e sua sequência foram dados pela Epic Games Store e merecem toda a atenção do público.

NBA 2K21

Mais uma alegria para os fãs de games de esportes, a Epic foi bastante louvada por garantir um título muito recente de forma gratuita. Foi o caso de NBA 2K21, penúltimo jogo da franquia de basquete mais famosa do mundo. Não sou muito conhecedor do esporte, portanto, nem dos jogos dele, mas imagino que deva ter deixado as pessoas felizes.

Watch Dogs 1 e 2

A saga dos hackers já foi completamente oferecida para os usuários da plataforma também. Ainda que tenha recebido algumas críticas certeiras ao longo dos anos, a experiência de ambos Watch Dogs é, no mínimo, interessante. E, de uma forma bastante preocupante, cada dia mais familiar à nossa inglória e desgostosa realidade.

Mas ei, pelo menos você poderá se juntar a um grupo de anarquistas em potencial para destruir absolutamente todo o poder tecnológico controlado por grandes corporações, no maior estilo Case e Molly Millions. Ou, talvez, você seja um Armitage, vai saber.

Jogos nem tão famosos

Bom, já tivemos uma dose razoável de títulos conhecidos, o que significa que é hora de partir para algumas das chamadas joias escondidas que a Epic Games Store já deu. De RPG’s a jogos de aventura, passando por simuladores de estratégia, são várias opções para aproveitar.

Quem pega todos os jogos semanalmente e não faz ideia do que jogar a seguir, ainda mais considerando o tamanho do backlog na biblioteca, pode tentar um dos seguintes títulos. Ou simplesmente marcar em algum lugar para jogá-los assim que possível; se é isso que você acredita que fará, sem julgamentos aqui.

Darkest Dungeon

Ok, pode ser que você já tenha ouvido falar desse, talvez não pelas melhores razões por aí, mas acontece. Darkest Dungeon é um jogo cruel, mas muito criativo, que desafia os jogadores em todas as incursões, sem exceção, desde o primeiro nível. Se um dos seus 4 heróis morrer, acabou; será necessário contratar outro e evoluí-lo do 0 para substituir o falecido.

É necessário pensar bastante em quais grupos de heróis se dão melhor conforme suas habilidades, o que garante horas sem fim de estratégias e, muito provavelmente, estresse igualmente interminável. No fim, vale a pena? Claro que vale, masoquismo é a alma dos jogos!

For the King

For the King é uma experiência interessante que mescla elementos clássicos de RPG’s de mesa com games digitais. Aos veteranos do gênero, isso pode lembrar um pouco o primeiro Baldur’s Gate, mas, em se tratando de um jogo lançado em 2017, ele é bem mais fluido que Baldur’s. Além disso, ele é especialmente proveitoso quando se joga com amigos, ainda que não seja uma necessidade.

A mistura de características do chamado rogue-like aos jogos de tabuleiro também funciona de modo bem convidativo, mostrando que, de fato, não há limites para a criatividade dentro dos games, mesmo quando a fórmula parece já ter sido ultrapassada.

Kingdom: New Lands

Kingdom New Lands é um jogo bem interessante e com altíssimo valor de replay, dado pela Epic Games no ano passado junto ao fenômeno de terror Amnésia. A jogabilidade é bem simples para um jogo de estratégia, e talvez seja isso que lhe dê esse valor previamente mencionado. Basicamente você precisa construir um pequeno castelo e defendê-lo até conseguir mudar de ilha.

O título gira em torno disso, com a diferença de que cada ilha é mais difícil que a anterior. Kingdom New Lands é um simulador interessante de administração de recursos e, além de tudo, ele é bem leve, rodando em praticamente qualquer computador.

Halcyon 6

Outro simulador de estratégia, mas, dessa vez, um que se passa no espaço. A história de Halcyon 6 basicamente se traduz numa colônia de humanos que vive na estação de nome homônimo e que, por causa de uma invasão alienígena não identificada, se transforma no último bastião da resistência.

Você, como comandante interino da estação espacial, precisa comandar a tripulação para descobrir o que aconteceu com a esquadra de seus superiores, enfrentar outras raças que se aproveitarão da fraqueza humana e muito mais. O jogo é interessante e dá para passar várias horas nele também.

SOMA

SOMA é um dos títulos mais interessantes dos últimos anos. Ele pode ser considerado uma narrativa de survival horror, dado que a interação da personagem com o ambiente é relativamente limitada, como em outros jogos do gênero, no melhor estilo Gone Home — que também foi dado pela Epic, vale notar —, e o foco está na história.

Mesmo assim, não se deixe enganar, há vários sustos reservados para os jogadores. Além disso, o final é tão desesperador que não havia a menor necessidade de incluir outros sustos no jogo, só a possibilidade de passar pelo pesadelo que foi aquela história já era o suficiente.

Tales of the Neon Sea

Uma aventura point’n’click bastante promissora que se passa num mundo cyberpunk. Basicamente é isto que Tales of the Neon Sea oferece, casando muito bem o arquétipo detetivesco e misterioso desse gênero de aventuras com outras premissas interessantes, uma delas muito ótima: controlar um gatinho.

Há uma gangue de gatos de rua que também está interessada em resolver o mistério principal da narrativa, e um desses gatos é o companheiro fiel do detetive responsável pelo caso. Isso adiciona uma camada muito gostosa de criatividade e colabora para a espetacular direção de arte do game.

The Long Dark

The Long Dark é um título de sobrevivência que se passa no Canadá. Separado em cinco episódios e até agora tendo os dois primeiros componentes lançados, o jogo foi bastante elogiado por muitos críticos pela inovação e dificuldade, mesmo no gênero de sobrevivência. Basicamente, você está sozinho num mundo sem eletricidade no que se pode chamar de deserto congelado e, claro, precisa sobreviver.

Com modo história e exploração, a diversão pousa justamente na necessidade de procurar pistas sobre a história — cujo modo chama Wintermute, que, para os amantes de ficção científica, vai ressoar bem — ou então testar suas habilidades num ambiente hostil.

Transistor

Ainda que não exatamente desconhecido, Transistor é menos falado do que deveria. Produto da Supergiant Games, que ganhou os holofotes recentemente devido ao sucesso estrondoso de Hades, Transistor é uma aventura cyberpunk maravilhosa que coloca o jogador na pele de uma cantora que perdeu a voz e usa uma espada falante, seu amante transformado em arma.

Difícil apontar um erro sequer no game; as estratégias necessárias para passar fases e derrotar chefes são bem pensadas, a trilha sonora é espetacular, a direção de arte imbatível e a jogabilidade muito gostosa e criativa. Transistor definitivamente é um jogo que merece ser jogado quanto antes.

Tyranny

Tyranny se transformou num dos meus jogos favoritos e não, não é só porque ele é da Obsidian, conhecida pelas narrativas acima da média. No RPG isométrico, você toma o controle de um juiz, digamos assim, de uma força maléfica que está prestes a conquistar todo o território de um continente fictício. 

Isso significa que você deverá tomar decisões complexas e colocar sua moral dentro e fora do jogo em perspectiva. Algumas das decisões mais pesadas que eu já fui obrigado a tomar partiram de Tyranny, que não perde a mão em nenhum momento e dá bastante liberdade ao jogador.

What Remains of Edith Finch

O título é reconhecido por ter uma ótima narrativa apresentando a vida da família Finch, cujas mortes são um tanto perturbadoras, para dizer o mínimo. Tendo isso em vista, a protagonista retorna à impactante casa dos Finch para descobrir mais sobre sua herança e sobre a suposta maldição que ronda a família.

A trilha sonora do jogo é simplesmente maravilhosa, deixando o jogador à beira das lágrimas e muito reflexivo. Similar ao SOMA, mencionado acima, e a outros jogos do estilo, como Everybody’s Gone to the Rapture, What Remains of Edith Finch é um deleite para os olhos.

E aí, gostou dos títulos? Quer sugerir outros imperdíveis? Deixa aí nos comentários!

Fonte: Game On
Publicidade
Publicidade