PUBLICIDADE
Logo do Vasco

Vasco

Favoritar Time

Galdames abre o jogo e revela motivo da escolha pelo Vasco: 'Passo perfeito a carreira'

Volante chileno chegou ao clube nesta temporada e teve rápida adaptação

12 abr 2024 - 20h32
Compartilhar
Exibir comentários

Antes de desembarcar no Rio de Janeiro, Pablo Galdames era desconhecido pela torcida do Vasco. O volante chileno, de 27 anos, foi um dos nomes que precisou superar a desconfiança do torcedor dentro de campo. Em entrevista exclusiva ao Lance!, o jogador abriu o jogo sobre a sua chegada ao clube até os dias atuais. Confira no player acima.

Foto: Lance!

- Foi uma negociação bastante rápida. Genoa e Vasco tem os mesmos donos, a 777. Fiquei muito feliz com a mudança. Eu precisava porque não estava jogando muito na Itália. E jogar uma competição tão importante como o Brasileiro, numa equipe tão importante como o Vasco. Acho que foi o passo perfeito para a minha carreira.

🎙️ VEJA TODAS AS RESPOSTAS DE PABLO GALDAMES:

AMIZADE COM MEDEL

- Gary me conhece desde que eu tinha 13, 14 anos. Eu jogava com o irmão mais novo do Gary. Depois participei da seleção chilena, quando tinha 16, 17 anos. Ele me levava para treinar. ELe me conhece há muito tempo e sempre foi muito importante para mim. Fizemos uma amizade muito linda. Desde o primeiro momento que houve o interesse do Vasco, primeiro eu liguei para o Gary, que me falou muito bem da instituição, do grupo, da cidade, da torcida.

ADAPTAÇÃO

- Foi espontâneio, foi ingênuo. É verdade que cheguei e tive um bom desempenho desde o início. Fazia muito tempo que estava trabalhando dessa maneira e não estava jogando os minutos que merecia. Quando cheguei ao Vasco, infelizmente tivemos a lesão do Jair e do Paulinho, e eu tive que começar a jogar. Tive bastante confiança. Aa medida que os jogos avançavam, fui respondendo bem. A relação com o Vasco e os torcedores foi muito espontânea, ingênua, de carinho e humildade. Eu sou uma pessoa muito positiva, muito feliz e que busca o melhor sempre para a equipe.

ESTRUTURA/SAF

- Confesso que me surpreendi com a estrutura do Vasco. Temos tudo que um jogador precisa e vejo que existe uma busca da direção em melhorar e proporcionar ainda mais para os atletas. É isso que esperamos e acreditamos. Temos hoje tranquilidade para trabalhar.

GOLS E ASSISTÊNCIAS

- Trabalhei muito tempo para conseguir esta regularidade e rendimento. Sigo trabalhando para ter a mesma regularidade com a mesma vontade e motivação. Eu quero muito que o time esteja bem este ano e faça um bom campeonato, um bom Brasileirão. Espero poder voltar à seleção.

QUEDA DE RENDIMENTO

- Eu também senti isso. Principalmente na primeira semifinal. Talvez o segundo jogo nem tanto. Mas são muitas variáveis. A quantidade de partidas jogadas em pouco tempo. Eu vinha de pouca sequência no Genoa, no último semestre. Joguei apenas quatro partidas de agosto a dezembro. Cheguei aqui em uma intensidade alta. O Vasco jogou nove partidas em um mês. Foi bastante difícil, mas não gosto de dar desculpas. As coisas aconteceram, mas sinto que essa parada que tivemos de duas ou três semanas me ajudou muito.

PREPARAÇÃO PARA O BRASILEIRÃO

- Me sinto fisicamente muito bem. Sinto que o acúmulo de jogos seguidos me fez sentir nas semifinais e essas duas semanas me ajudaram a trabalahr com a equipe de preparação física. A equipe de fisioterapia fez um ótimo trabalho com os médicos. Quando terminou o treino, eu me senti perfeito.

- Tem que falar com ele (titular contra o Grêmio). Se ele quiser, estou à disposição.

ESTRANGEIROS NO VASCO

- Temos um relacionamento muito bom. Estamos praticamente o dia todo juntos. Na concentração também. Jogamos carta, tomamos mate. O chileno é mais parecido com o argentino e o uruguaio culturalmente, né? Por causa do idioma também. É muito mais fácil se adaptar chegar em um clube com muitas pessoas parecidas com você.

CONVIVÊNCIA COM DIMITRI PAYET

- Dimi (Payet) é muito tranquilo. Uma pessoa muito calma. Totalmente diferente do que você imagina (Payet xingando Emerson Carioca, do Nova Iguaçu). Ele é super positivo, trabalhador. Eu, pessoalmente, falo em inglês com ele. Falo um inglês perfeito. Dimi é um craque. Treina bem, positivo com o grupo, sempre querendo trabalahr. Esperamos que se recupere rápido, porque ele é muito importante para nós.

SUBSTITUTO DE PAYET?

- Somos muito diferentes. Eu sou mais um volante, um camisa 8 talvez e ele é um 10 nato. Mas se em algum momento a equipe precisar que eu jogue em outra posição, posso jogar sem problema. Mas não posso me comparar com o Dimi, porque ele é único. Não tem outro.

MELHORES AMIGOS NO VASCO

- Gary. Principalmente os estrangeiros. Me dou muito bem com o Pumita, Sfroza, Rojas e Vegetti. Também tenho um relacionamento muito bom com os brasileiros. Com o Praxede, com o Paulo Henrique, Piton. Sou muito tranquilo.

O QUE GALDAMES GOSTA DE FAZER NO DIA A DIA?

- Termino de treinar, vou para casa dormir. Gostou muito de ir à praia. Tomar mate. Durante a semana saio para comer com Gary, mas a vida é tranquila.

ESTREIA NO BRASILEIRO

- Tenho muita gana. Muita vontade que comece o torneiro. Estou ansioso para que chegue domingo. Estou motivado e ansioso. Confio no grupo e na equipe. Sinto que fizmos ótimas semanas de trabalho e quero que isso se reflita em campo. Quero ter a torcida vascaína nos apoiando o jogo todo, cantando o jogo todo. Que venha o Grêmio e sinta que vai ser difícil quando entrarem em São Januário. Que sintam que vai ser difícil quando nos vencer em nosso estádio. É uma grande prova para a gente demonstrar um golpe de personalidade. Demosntrar que o Vasco quer este ano. Sobretudo, na nosssa casa com o nosso povo.

EXPECTATIVAS PARA A TEMPORADA

- (Os torcedores) devem ficar tranquilos que vamos deixar tudo em campo como eles deixam a garganta cantando e gritando por nós. Vamos fazer o mesmo dentro de campo. É importante que estejamos juntos. Principalmente nos momentos difíceis. Pois o que queremos é conquistar vitórias para o Vasco, dar alegrias para eles e terminar na melhor posição da tabela.

Lance!
Compartilhar
Publicidade
Publicidade