1 evento ao vivo

Veja quem se salvou no turbulento primeiro semestre do São Paulo

21 jun 2019
07h07
atualizado às 07h07
  • separator
  • 0
  • comentários

O São Paulo decepcionou na primeira metade da temporada 2019. Eliminado precocemente da Taça Libertadores, da Copa do Brasil e derrotado pelo Corinthians na final do Campeonato Paulista, o Tricolor tem apenas o Brasileirão para disputar no restante do ano.

Passadas nove rodadas, o time de Cuca ocupa o nono lugar na tabela, com 14 pontos, 11 a menos que o líder Palmeiras. O rival alviverde, aliás, será o primeiro adversário após a pausa para a Copa América - o Choque-Rei está marcado para o dia 13 de julho, no Morumbi.

Alguns jogadores, porém, destoaram positivamente em meio à crise que se instaurou no Morumbi. Abaixo, a Gazeta Esportiva lista quem se salvou após 31 partidas oficiais do turbulento primeiro semestre do São Paulo. Contratados por último, Alexandre Pato, Tchê Tchê, Vitor Bueno e Marquinhos Calazans não foram avaliados pelo baixo número de jogos.

Tiago Volpi (30 jogos)

Chegou com a pressão de substituir Rogério Ceni e acabar com a sina de insegurança no gol tricolor. Após ser alvo de críticas no início do ano, reagiu e foi o herói da classificação para a decisão do Paulista, pegando dois pênaltis contra o Palmeiras, nas semifinais.

Além disso, as boas defesas neste começo de Brasileirão têm feito grande parte da torcida exigir a contratação em definitivo do goleiro, emprestado pelo mexicano Querétaro até o final da temporada.

Bruno Alves (28 jogos)

É o zagueiro mais regular do São Paulo. Seguro defensivamente, cometeu poucos erros ao longo do primeiro semestre de 2019. Tanto que é titular absoluto do time de Cuca - atuou nessa condição em todos os 14 jogos do treinador à frente da equipe.

Luan (16 jogos)

Apesar da falta de experiência, desbancou o veterano Jucilei e se consolidou como primeiro volante do São Paulo. O jogador de 20 anos compensa a dificuldade no passe com forte poder de marcação e bom posicionamento.

Hudson (25 jogos, 2 gols e 1 assistência)

Um dos líderes do elenco, o volante foi o capitão durante a maior parte do primeiro semestre. Na falta de um lateral direito que dê segurança, foi improvisado no setor e deu conta do recado. É o principal ladrão de bolas da equipe no Brasileiro, com 25 desarmes.

Antony (22 jogos, 2 gols e 1 assistência)

Foi a grata surpresa do Tricolor até agora. Revelado no clube, o atacante começou o ano ajudando o time sub-20 a conquistar a Copa São Paulo de Futebol Júnior, com quatro gols e seis assistências. No retorno ao elenco profissional, virou titular sob o comando de Vagner Mancini e símbolo da arrancada para a decisão do Estadual.

Após atuar "debilitado" na primeira final, marcou o gol na derrota por 2 a 1, em Itaquera, pelo jogo de volta. Teve um bom início de Brasileiro, mas deixou o time para disputar o Torneio de Toulon com a Seleção pré-olímpica e não enfrentou Cruzeiro, Avaí e Atlético-MG.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade