0

Daniel Alves detona após adiamento de jogo: 'Inadmissível'

Jogador critica a situação vivida neste domingo, quando o Goiás recebeu exames que confirmaram nove casos de coronavírus no elenco

9 ago 2020
21h57
atualizado em 10/8/2020 às 07h49
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Daniel Alves usou as redes sociais para criticar como o jogo entre Goiás e São Paulo foi adiado. Os jogadores são-paulinos já estavam em campo no estádio da Serrinha quando foram avisados de que o duelo não iria ocorrer. Sem citar nenhuma parte, Daniel Alves classificou a situação como "inadmissível".

Daniel Ales fez críticas em sua conta no Instagram
Daniel Ales fez críticas em sua conta no Instagram
Foto: Flavio Corvello / Futura Press

"Eu gostaria de dizer que é inadmissível o que aconteceu hoje, não é por irresponsabilidade que tenhamos que viver esse tipo de coisa que fomos expostos a viver hoje. Ou criamos uma consciência e somos profissionais ou é uma perda de tempo o que estamos fazendo! Se é a vida o mais importante, então o resto não tem sentido. Obrigado por nada", escreveu o jogador.

A partida foi adiada após a solicitação do Goiás ser aceita pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O clube esmeraldino recebeu na manhã deste domingo dez resultados positivos de coronavírus entre os 23 jogadores do elenco. Após a contraprova, foram nove casos confirmados.

Os resultados foram divulgados apenas neste domingo, porque o elenco teve que refazer os exames na sexta-feira, após os testes feitos na quinta apresentarem falhas. O Goiás divulgou o ocorrido horas antes da partida contra o São Paulo, e o STJD decidiu pelo adiamento minutos antes das 16h, horário marcado para o duelo começar.

O diretor de futebol do São Paulo, Raí, afirmou que houve preocupação com os casos de coronavírus no Goiás. Apesar da indefinição, o time tricolor cumpriu os protocolos de jogo, indo para o estádio e subindo ao gramado.

"Óbvio que teve uma preocupação. Desde o início conversamos entre nós. Uma situação desconfortável, não sabíamos da extensão do problema. Sabíamos que teria uma contraprova, poderiam ter erros nos resultados, então eram muitas dúvidas, ninguém tinha certeza. Sabíamos que seriam refeitos os exames. Como foram dez casos preocupou a todos, mas ao mesmo tempo perguntamos se existia uma confirmação ou não. Por isso mantivemos o contato com os dirigentes do Goiás o tempo todo e procuramos várias vezes a CBF, que me ligou, o responsável pelas competições, Manuel Flores, que explicou que não conseguiu retornar antes pois estava resolvendo tudo", disse Raí.

O presidente do Goiás, Marcelo Almeida, classificou a postura do São Paulo como "bastante fria". Ele alegou que teve de "correr atrás" para informar os profissionais do clube tricolor.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade