PUBLICIDADE
Logo do

Santos

Meu time

Conselho do Santos adia decisão sobre rescindir contrato de Robinho

Presidente do clube convenceu os conselheiros de que seria precipitado decidir algo até que ocorra o julgamento do atleta em segunda instância

22 out 2020 08h08
| atualizado às 08h26
ver comentários
Publicidade

A reunião do Conselho Deliberativo do Santos, realizada na noite desta quarta-feira, tomou uma série de decisões importantes sobre o futuro do clube, mas adiou a mais esperada: a decisão sobre o contrato de Robinho. O assunto foi retirado da pauta, atendendo a pedido de Orlando Rollo, presidente em exercício da equipe.

Robinho foi anunciado como reforço pelo Santos em 10 de outubro, com vínculo por cinco meses e salário de R$ 1.500, além de bônus de R$ 300 mil de acordo com o número de jogos disputados. Porém, a condenação do atacante por estupro na Itália e a divulgação de conversas sobre o caso provocaram forte repercussão negativa do caso. E o clube optou por suspender o contrato do jogador.

Na visão de Rollo, seria precipitado avaliar o vínculo enquanto não ocorre o julgamento de Robinho em segunda instância. E o plenário do Conselho Deliberativo acolheu o seu pedido para que o caso não fosse avaliado.

Também na reunião, foi aprovada a proposta de devolver os direitos econômicos de Soteldo ao Huachipato, mantendo o jogador no elenco comandado por Cuca. Pela proposta, o Santos fica livre da dívida com o time chileno ao repassar a sua participação no jogador e deixa de ser alvo de ação na Fifa. O atacante permanecerá no time paulista, mas vai ser vendido assim que o Huachipato receber uma oferta que considerar valiosa. E o clube terá direito a apenas 10% do valor da venda que ultrapassar os US$ 8 milhões.

Já para a eleições presidenciais em 12 de dezembro, foi aprovado o voto à distância como alternativa. Mas o pleito poderá ser totalmente virtual em função da pandemia do coronavírus.

Estadão
Publicidade
Publicidade