PUBLICIDADE
Logo do Palmeiras

Palmeiras

Favoritar Time

Oposição do Palmeiras escolhe ex-diretor de futebol para enfrentar Leila Pereira nas eleições

Savério Orlandi, advogado de 53 anos, será o candidato da oposição nas eleições presidenciais do clube, previstas para novembro

20 jun 2024 - 15h12
(atualizado às 15h12)
Compartilhar
Exibir comentários

Se Leila Pereira foi eleita a primeira presidente mulher da história do Palmeiras sem adversários na última eleição, no fim de 2021, no próximo pleito, previsto para novembro, ela terá ao menos um oponente. O Palmeiras Avante, movimento que une diversas alas da oposição, definiu nesta quinta-feira, 20, quem será o candidato que enfrentará a atual presidente nas próximas eleições presidenciais. Trata-se de Savério Orlandi.

"Foi um processo longo, de muito trabalho e amadurecimento de ideias. A candidatura é fruto de um trabalho coletivo e de um plano de gestão sólido, que logo todos irão conhecer. Esperamos também que esta candidatura possa representar as ideias de uma oposição responsável, leal ao clube, mas que enxerga muitos pontos a serem melhorados, a começar pelos crescentes e preocupantes conflitos de interesses", disse Orlandi.

O oponente de Leila Pereira destacou que a oposição tem "unir as forças que querem construir um Palmeiras mais próspero e inclusivo para subir o nível do debate sobre o Palmeiras". "Temos a certeza de que nossa candidatura resultará em um ganho indiscutível para o Palmeiras, independente do vencedor do pleito", completou.

A chapa terá quatro vice-presidentes, que ainda não foram definidos pela oposição. Leila Pereira também não fez o anúncio de quem vai compor a sua chapa. Na última eleição, ela foi candidata única, e terminou eleita com 1.897 votos entre os 2.141 presentes no ginásio poliesportivo do clube social.

Savério Orlandi, advogado, tem 53 anos e é sócio do clube desde 1983. Faz parte do Conselho Deliberativo há 23 anos, compôs o Conselho de Orientação e Fiscalização entre 2013 e 2021 e é integrante de todas as comissões estatutárias desde 2001. Atuou como diretor de futebol entre 2007 e 2010 e é consultor jurídico e sócio filiado desde a fundação da Associação Brasileira dos Executivos de Futebol, além de membro da Comissão de Governança em Clubes de Futebol do IBGC.

A ideia dos opositores é explorar as fraquezas e vulnerabilidades políticas de Leila, frequentemente questionada pela torcida e por parte dos conselheiros, que alegam haver conflito de interesses na administração da empresária, o que ela afirma não existir, e também pelas promessas não cumpridas, como a redução no valor dos ingressos.

Quarta mulher mais rica do Brasil, segundo a revista Forbes, a presidente patrocina o clube por meio da Crefisa e da FAM desde 2015, é credora da agremiação, dona do avião usado pela delegação para as viagens fora de São Paulo e administra, por meio da Crefipar, a Arena Barueri, estádio que tem sido usado pelo time enquanto a reforma no gramado do Allianz Parque não é concluída.

O Movimento Palmeiras Avante disse esperar que não haja "mais ataques pessoais a nossos integrantes, sem retaliações e nem nenhum tipo de cerceamento à informação" e que o processo eleitoral seja "justo, transparente e em acordo com o estatuto e as boas práticas eleitorais consagrada".

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade