PUBLICIDADE
Logo do

Palmeiras

Favoritar Time

Escolas oficiais do Palmeiras têm papel importante na inclusão

16 jan 2022 19h35
| atualizado às 19h35
ver comentários
Publicidade

Além do futebol, as escolas oficiais do Palmeiras também exercem importante papel na inclusão de jovens. Diagnosticado com autismo, Eduardo César Guimarães, de 13 anos, foi rejeitado por colégios em Sorocaba (SP) após professores e pais afirmarem que a presença dele na sala de aula atrapalharia o desenvolvimento dos colegas.

Caio ao lado dos pais (Foto: Divulgação/Fabio Menotti)
Caio ao lado dos pais (Foto: Divulgação/Fabio Menotti)
Foto: Gazeta Esportiva

Entre milhares de crianças que integram a Academia pelo Brasil, dezenas delas têm algum tipo de transtorno neurológico, como autismo e TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade).

Já Caio Zanetti Cucolicchio, de 13 anos, foi diagnosticado com diabetes tipo 1, doença crônica em que há pouca ou nenhuma produção de insulina pelo pâncreas, e recebeu a recomendação de realizar exercícios. Apaixonado por futebol e palmeirense, ele treina duas vezes por semana na escola do Verdão em Santo André (SP) e sonha em se tornar atleta profissional.

"Toda vez que jogo futebol, foco só no futebol. Esqueço de tudo, parece que nem tenho diabetes", afirma Caio, que tem como inspiração Nacho Fernández, lateral-direito do Real Madrid que foi diagnosticado com a doença aos 12 anos.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade