PUBLICIDADE

Yamaha vê punição "desigual" a Quartararo na Holanda: "Afeta justiça da MotoGP"

Fabio Quartararo assumiu toda a responsabilidade pelo incidente com Aleix Espargaró na volta 5 do GP da Holanda, mas foi punido com uma volta longa na próxima etapa, na Grã-Bretanha, pelo painel dos comissários. A Yamaha não poupou críticas, dizendo que a FIM mede a gravidade dos incidentes de corrida "com padrões inconsistentes e subjetivos"

28 jun 2022 - 11h45
(atualizado às 11h48)
Ver comentários
Fabio Quartararo
Fabio Quartararo
Foto: Divulgação/MotoGP / Grande Prêmio

A Yamaha não poupou críticas aos comissários da FIM (Federação Internacional de Motociclismo) após a punição aplicada a Fabio Quartararo, que foi considerado culpado pelo incidente envolvendo Aleix Espargaró na volta 5 do GP da Holanda. O diretor da fábrica japonesa, Lin Jarvis, disse por meio de nota oficial emitida nesta terça-feira (28) que todos na equipe estavam decepcionados com o que chamou de "desigualdade com que as penalidades são aplicadas pelo painel de comissários da MotoGP".

Na corrida realizada no último domingo, o líder do Mundial 2022 tentou ultrapassar o representante da Aprilia na curva 5 do circuito de Assen, mas cometeu um erro e acabou caindo, quase levando Aleix ao chão consigo. Ambos conseguiram voltar à pista, porém Quartararo sofreu danos na moto e acabou caindo novamente, abandonando de vez.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2.

O mais velho dos irmãos Espargaró, por sua vez, caiu para 15º e foi um dos nomes da prova, fazendo uma corrida de recuperação e cruzando a linha de chegada em quarto, com direito a ultrapassagem dupla na última curva. Depois da corrida, Quartararo chegou a ir pessoalmente aos boxes da Aprilia para se desculpar, sendo bem recebido por todos, mas a atitude não o isentou de ser considerado culpado. Como punição, o francês terá de cumprir uma volta longa na próxima etapa, na Grã-Bretanha.

CLASSIFICAÇÃO DA MOTOGP

"Fabio Quartararo, a Monster Energy Yamaha MotoGP Team e a Yamaha sempre lutaram pela justiça e esportividade na MotoGP. Estamos decepcionados ao ver a desigualdade com que as penalidades são aplicadas pelo painel de comissários da FIM MotoGP", declarou Jarvis.

O argumento da Yamaha é baseado em dois motivos: o primeiro é o histórico do #20, que é visto como um piloto limpo em suas disputas. "Foi um erro honesto sem intenção maliciosa", defenderam os japoneses. O segundo ponto é que a gravidade do incidente "é uma questão de conjectura", por mais que tenha afetado a corrida de Aleix Espargaró.

"Enquanto Quartararo admitiu ter cometido um erro na curva 5 do TT Circuit Assen na volta 5, a Monster Energy Yamaha MotoGP vê isso como um incidente de corrida. Quartararo tem a reputação de ser um piloto limpo, sem histórico de incidentes anteriores. Foi um erro honesto sem intenção maliciosa", diz a equipe na nota. "A Monster Energy Yamaha MotoGP reconhece que a corrida de Aleix Espargaró foi afetada, mas a gravidade do impacto é uma questão de conjectura. A Monster Energy Yamaha MotoGP sente que o painel de comissários da FIM MotoGP está medindo a gravidade dos incidentes de corrida com padrões inconsistentes e subjetivos", protestou.

O texto continua, com a Yamaha dizendo ainda que "a inconsistência com que as penalidades são aplicadas pelo painel de comissários da FIM MotoGP durante a temporada 2022 prejudica a justiça da MotoGP e a fé na jurisdição dos comissários". A fabricante encerra apontando para "ao menos outros três incidentes graves de corrida que ficaram impunes", mesmo sem especificar quais seriam.

Com o abandono e o quarto lugar de Aleix, a vantagem de Quartararo na liderança é de agora 21 pontos. Por causa da punição, o francês também terá de remar bastante se não quiser sair da próxima corrida com os adversários ainda mais próximos.

Jarvis disse também que cogitou apelar da decisão dos comissários, mas se tratava de um tipo de penalidade que não estava aberta a discussões ou apelações. "Queríamos então levantar o caso, por uma questão de princípio, com o CAS (Tribunal Arbitral do Esporte), mas tal situação também não é passível de recurso. É por essas razões que decisões corretas, equilibradas e consistentes devem ser tomadas pelos comissários em primeiro lugar e executadas dentro do prazo correto e razoável", finalizou o diretor.

A MotoGP agora entra em férias e volta à ativa apenas no dia 7 de agosto, com o GP da Grã-Bretanha, em Silverstone. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2022.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade