PUBLICIDADE

Motociclismo

Bagnaia mostra indecisão com uso do número 1 em 2023 e brinca: "Poderia usar #64"

Italiano considerou o número 1 fascinante, mas quer esperar pelo fim do inverno europeu para tomar uma decisão

17 dez 2022 - 10h16
Compartilhar
Exibir comentários
Francesco Bagnaia quer esperar pelo fim do inverno europeu para tomar uma decisão
Francesco Bagnaia quer esperar pelo fim do inverno europeu para tomar uma decisão
Foto: Ducati / Grande Prêmio

Francesco Bagnaia ainda não definiu que número vai estampar na carenagem a Ducati na temporada 2023 da MotoGP. Campeão de 2022, o italiano de Torino pode escolher seguir com o tradicional #63 ou trocar para o #1, um honra reservada ao campeão.

Caso opte por mudar para o #1 será a quarta troca de numeral de Pecco no Mundial de Motovelocidade. O italiano usou o #21 nos tempos da Moto3, mas precisou mudar para #42 na subida para a Moto2, já que Franco Morbidelli já estava por lá usando o número. Na hora de passar para a classe rainha, Francesco não pôde escolher nenhum dos dois, já que o ítalo-brasileiro tinha chegado à elite antes e Álex Rins também já usava o #42. Assim, optou pelo 63, uma soma dos dois números.

Francesco Bagnaia não decidiu ainda se vai usar o número 1 em 2023
Francesco Bagnaia não decidiu ainda se vai usar o número 1 em 2023
Foto: Ducati / Grande Prêmio

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Acontece que, na MotoGP, o uso do número #1 também 'saiu de moda' e — pior — virou uma espécie de maldição, já que o último que o exibiu com sucesso foi Mick Doohan, em 1998, quando conquistou o derradeiro dos cinco títulos das 500cc que acumulou na carreira. Depois disso, ninguém mais defendeu a coroa de maneira bem sucedida usando o número do campeão.

Nestes anos, Álex Crivillé fez questão do #1 em 2000, Kenny Roberts Jr. em 2001, Casey Stoner em 2008 e 2012, e Jorge Lorenzo em 2011. Valentino Rossi, Lorenzo nos outros dois títulos, Marc Márquez, Joan Mir e Fabio Quartararo não abandonaram as numerações tradicionais em favor do número 1.

"Ainda não decidi, mas, mesmo que acabe decidindo levar o #1, o #63 seguirá sendo o meu número", disse Bagnaia durante um evento da Ducati em Bolonha em comemoração dos títulos de MotoGP e do Mundial de Superbike. "Também poderia colocar o #64, que seria 63+1", brincou.

"O #1 é um número muito fascinante, mas veremos para onde a balança pende no fim do inverno", completou.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Compartilhar
Publicidade
Publicidade