PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Lutas Olímpicas

"Fico feliz por representar no meu país", diz Maria Suelen após derrota

12 ago 2016 - 14h04
Compartilhar
Exibir comentários

Eliminada na estreia da categoria pesado (mais de 78kg) dos Jogos do Rio de Janeiro pela sul-coreana Kim Minjgeong, a judoca brasileira Maria Suelen Altheman lamentou a derrota, mas se disse feliz por ter representado e lutado diante da torcida brasileira em uma competição olímpica.

"Não faltou nada. Acho que (a eliminação) ainda está muito fresca, mas isso é Olimpíada, onde tudo pode acontecer. A gente se prepara quatro anos para estar aqui, e eu acabei saindo com a derrota. Fico feliz de ter representado meu país e estar lutando no meu país. Para mim foi um privilégio", disse ela após a derrota.

Duas vezes vice-campeã mundial, Maria Suelen acabou sendo dominada pela adversária, 11ª colocada no ranking mundial, uma posição acima da brasileira, e perdeu por um yuko.

Perguntada se o desempenho da equipe brasileira de judô, uma das principais esperanças de medalha do Brasil no Rio 2016, foi abaixo do esperado e nem mesmo superará a de Londres 2012, na qual o Brasil obteve um ouro e três bronzes, Maria Suelen ressaltou a imprevisibilidade da modalidade.

"Eu acho que toda a comissão, toda a equipe, se dedicaram ao máximo. Fizemos vários treinamentos fora (do país), mas o judô é isso. A gente aprende a cair e tem que levantar. Nossa equipe toda está de parabéns. Todos se dedicaram muito para estar aqui e infelizmente não deu certo. Temos um novo ciclo olímpico começando a partir de hoje, e quem sabe no Japão pode ser melhor", refletiu a atleta, elogiando a torcida que lotou a Arena Carioca 2.

"Adorei a torcida. Eu adoro a torcida brasileira. Acho que eles levantam a gente e ficam do nosso lado na vitória ou na derrota. Eles estão de parabéns", afirmou.

O Brasil pode encerrar a participação no judô com apenas três medalhas. Além do ouro de Rafaela Silva e do bronze de Mayra Aguiar, a equipe do país pode voltar a subir ao pódio com Rafael Silva, o Baby, que irá disputar a repescagem e tem chances de repetir o bronze por ele conquistado em Londres 2012.

EFE   
Compartilhar
Publicidade
Publicidade