0

COB diz que repasse para confederações sofrerá queda de 14%

20 dez 2016
20h21
atualizado em 21/12/2016 às 09h08
  • separator
  • comentários

Até no ano das Olimpíadas e Paralimpíadas do Rio de Janeiro, a crise acabou afetando o Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Nesta terça-feira, a entidade anunciou que a verba repassada para entidades esportivas será 14% menor em 2017 em relação a 2016.

Em números reais, isso representa uma defasagem de R$ 13 milhões. Ou seja, os R$ 98 milhões transferidos para Confederações do Brasil neste ano se transformarão em R$ 85 milhões em 2017. A diminuição do valor acontece porque as loterias federais foram afetadas pela crise e, de acordo com a Lei Agnelo/Piva, parte dos valores das apostas é destinada a entidades esportivas.

"A crise também chegou nas loterias, infelizmente. Isso nos pegou. Mas estamos trabalhando para que a queda não seja tão brusca", explicou o diretor de gestão financeira do COB, José Maria de Santucci.

"A crise também chegou nas loterias, infelizmente. Isso nos pegou. Mas estamos trabalhando para que a queda não seja tão brusca", explicou o diretor de gestão financeira do COB,
"A crise também chegou nas loterias, infelizmente. Isso nos pegou. Mas estamos trabalhando para que a queda não seja tão brusca", explicou o diretor de gestão financeira do COB,
Foto: Rafael Bello/COB

Seguindo o sistema de distribuição do comitê, que define o valor dos repasses futuros com base nos resultados do ano anterior, as Confederações de judô (CBJ), vela (CBVela), ginástica (CBG) e atletismo (CBAt) serão as que receberão mais ano que vem. A primeira poderá contar com R$ 4,23 milhões, enquanto as outras três terão á disposição R$ 3,76 milhões cada.

"Estamos cientes da necessidade de seguir com o desenvolvimento sustentável do esporte olímpico de alto rendimento no país, especialmente depois dos Jogos Rio 2016. O planejamento do COB para 2017 foi desenhado para minimizar o impacto financeiro sobre as condições de preparação dos atletas, nesse que é o primeiro ano do ciclo olímpico até Tóquio 2020. Pela primeira vez houve redução significativa no volume de apostas das loterias, o que impactará no orçamento de 2017", declarou Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB.

Apesar da divulgação dos números, quem segue com o repasse de verba suspenso é a Confederação brasileira de basquete. A entidade segue suspensa, por conta de uma dívida com a Federação Internacional de Basquete (Fiba). Em situação parecida, também aparece a Confederação Brasileira de Desportes Aquáticos (CBDA).

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade