0

PF apreende carros e R$ 480 mil na casa de Nuzman

Até o momento, empresário ligado a Cabral é foragido e sua ex-sócia já se apresentou

5 set 2017
13h52
atualizado às 14h02
  • separator
  • comentários

A Polícia Federal confirmou nesta terça-feira que apreendeu dois carros e um total de R$ 480 mil em espécie, dividido em cinco tipos de moedas, na casa de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e do Comitê Rio-2016, na Zona Sul da capital fluminense. No montante, há notas de real, dólar, euro, libra e francos suíços.

Coletiva do MPF e PF sobre possível compra de votos para o Rio de Janeiro sediar os Jogos (Jonas Moura)
Coletiva do MPF e PF sobre possível compra de votos para o Rio de Janeiro sediar os Jogos (Jonas Moura)
Foto: LANCE!

O Ministério Público diz que existe "fortes indícios" de que o dirigente tenha atuado como interlocutor entre empresários e dirigentes esportivos para compra de votos na escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos. O cartola presta depoimento nesta tarde na sede da Polícia Federal.

Há suspeitas de que ele tenha obtido até nacionalidade russa em contrapartida de seu voto a Sochi como sede dos Jogos de Inverno de 2014. Por isso, foi pedida a apreensão de todos os seus passaportes, bem como a proibição de sua saída do país.

A parceria entre Brasil e França na investigação deve resultar em novas prisões nos próximos meses, de acordo com a Polícia Federal.

"Atrelar a imagem do Brasil a casos de corrupção como se o país não fosse capaz de ganhar a sede dos Jogos por suas belezas e capacidade afeta a honra do povo brasileiro. Estamos pedindo o bloqueio dos bens dos envolvidos a título de danos morais", disse a procuradora do MPF, Fabiana Schneider.

O delegado da Polícia Federal, Antonio Beaubrun, disse que a análise de todo o material deverá levar em torno de dois meses. Ele foi questionado especificamente sobre Nuzman, uma vez que o brasileiro seria o responsável por unir as pontas do esquema, mas as autoridades afirmaram que, no momento, não há elementos para a sua prisão.

"A força-tarefa do Rio de Janeiro está muito robusta nessa análise e poderá levar outros elementos, que neste momento ainda não nos foi permitido levar à prisão", disse Beaubrun.

Até o momento, o MPF pediu as prisões de Arthur Cesar Soares de Menezes Filho, o "Rei Arthur", e de Eliane Pereira Cavalcante, ex-sócia dele. Ambos são acusados de lavar parte do dinheiro do esquema criminoso no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas, além de contas nos Estados Unidos e Antigua e Barbuda.

LANCE!

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade