0

MPF pede prisão preventiva de Nuzman por tempo indeterminado

Os procuradores ainda pediram a prorrogação da prisão temporária de ex-diretor do COB Leonardo Gryner

9 out 2017
16h12
atualizado às 16h18
  • separator
  • comentários

O Ministério Público Federal (MPF) pediu, nesta segunda-feira, a prisão preventiva do presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) Carlos Arthur Nuzman. Detido na última quinta-feira por um prazo de cinco dias, o cartola seria solto nesta segunda. Caso pedido seja acatado, a prisão se dará por tempo indeterminado. O juiz Marcelo Bretas, da sétima Vara Federal Criminal do Rio analisa a solicitação.

Carlos Arthur Nuzman foi preso na última quinta-feira em sua casa (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Carlos Arthur Nuzman foi preso na última quinta-feira em sua casa (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Foto: LANCE!

Os procuradores também pediram a prorrogação da prisão temporária do ex-diretor do COB e do Comitê Rio-2016, Leonardo Gryner. Ele também foi preso na última quinta-feira, na segunda fase da operação 'Unfair Play' (Jogo Sujo).

Segundo o pedido do MPF, caso Nuzman possa responder às acuações em liberdade, não existirá garantia de que o cartola não interferirá na produção de provas.

Outro fato que leva a ação da procuradoria é o recente pedido de cooperação internacional com a Suíça, a fim de identificar o patrimônio ocultado por Nuzman em um cofre em Genebra, capital suíça.

'A diligência em questão pode ser evidentemente prejudicada pelo acesso ao referido cofre e movimentação dos bens lá armazenados' - diz o texto.

O documento também explicita que Nuzman utilizou dinheiro da Rio-2016 para pagar o escritório de seu advogado, Nélio Machado. Em e-mail enviado após ter sido levado para prestar depoimento, o presidente alega que a Diretoria Estatutária do Comitê Rio-2016 aprovou o contrato com o escritório de advocacia num valor de R$ 5,5 milhões. A deliberação, no entanto, ocorreria dois dias depois.

Segundo o pedido dos procuradores, o documento prova que Carlos Arthur Nuzman "continua a atuar em benefício próprio, usando os instrumentos do Comitê Olímpico Brasileiro, bem como sua influência sobre as pessoas que lá trabalham".

Veja também

LANCE!

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade