3 eventos ao vivo

Cruzeiro acerta dívidas na Fifa e pode voltar a contratar

O time mineiro também quitou dívidas pendentes do atacante Ramón Ábila e do técnico Paulo Bento, contratado em 2015

16 out 2020
19h05
atualizado às 19h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Notícias importantes para a torcida cruzeirense. O Cruzeiro informou, na noite desta sexta-feira, 16 de outubro, que realizou o pagamento de dívidas importantes de processos que correm na Fifa.

O débito pela compra de Willian, feita em 2015, gerou uma punição da FIFA à Raposa, que ficou sem poder registrar novos jogadores-(Foto: Ramon Bitencourt)
O débito pela compra de Willian, feita em 2015, gerou uma punição da FIFA à Raposa, que ficou sem poder registrar novos jogadores-(Foto: Ramon Bitencourt)
Foto: LANCE!

A primeira movimentação foi referente ao FC Zorya, da Ucrânia, que cobrava valores relacionados a contratação do atleta Willian Bigode. O clube desembolsou a quantia de R$ 9.229.057,22, já com acréscimo de impostos, além de multa e custos da Fifa, no montante de R$ 328.107,03.

Com a quitação mencionada, a diretoria do clube espera que a sanção de transfer ban (impossibilidade de registro de novos jogadores), imposta pela Fifa, seja anulada já na próxima semana.

Já a segunda ação diz respeito ao atleta Ramón Ábila, que cobrava valores ao Cruzeiro por meio da entidade internacional. O time mineiro esclarece que pagou R$ 716.729,09, além de R$ 29,166,85 de multa na Fifa. Vale lembrar que a diretoria já havia quitado quantias relacionadas ao mecanismo de solidariedade ao Unión Florida, da Argentina.

Por fim, o Cruzeiro também informa que pagou os débitos com a comissão técnica do técnico Paulo Bento, que atuou no clube em 2016. O valor liquidado, com inserção dos juros, foi de R$ 454.358,75, somado a R$ 58.333,69 de multa e custas do processo para a Fifa.

Todos os custos destas operações teve a ajuda do seu principal parceiro, Pedro Lourenço, que socorreu mais uma vez o clube em outro momento de dificuldade.

Veja também:

Confira a repercussão da morte de Maradona na Argentina e pelo mundo
Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade