PUBLICIDADE

Jogadores argentinos são acusados de violar quarentena

Investigação pode fazer com que atletas sejam excluídos do jogo entre Brasil e Argentina, pelas eliminatórias da Copa

4 set 2021 21h41
| atualizado às 21h46
ver comentários
Publicidade
Sede da Anvisa em Brasília
REUTERS/Ueslei Marcelino
Sede da Anvisa em Brasília REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

Autoridades de saúde brasileiras acusaram quatro jogadores de futebol argentinos de violar as regras de quarentena no sábado, 4, e iniciaram uma investigação que pode fazer com que sejam excluídos do jogo entre Brasil e Argentina, pelas eliminatórias da Copa do Mundo neste fim de semana.

A seleção argentina voou para o Brasil na sexta-feira, 3, um dia depois de derrotar a Venezuela por 3 a 1 nas eliminatórias em Caracas.

Entre os convocados para o jogo de domingo na arena do Corinthians estão quatro jogadores que atuam na Inglaterra, Emiliano Buendía e Emiliano Martínez, do Aston Villa, e a dupla Giovani Lo Celso e Cristian Romero, do Tottenham Hotspur.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) disse que, com poucas isenções, os estrangeiros foram proibidos de entrar no Brasil vindos da Grã-Bretanha, Irlanda do Norte, África do Sul ou Índia.

Aqueles que recebem isenções precisam avisar as autoridades na chegada e passar 14 dias em quarentena.

"Os jogadores em questão, que chegaram ao Brasil em um vôo de Caracas (Venezuela) para Guarulhos, declararam que não passaram tempo em nenhum dos quatro países com restrições nos últimos 14 dias", disse a Anvisa em nota.

Em comunicado à parte, a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo disse que "iniciou-se uma investigação epidemiológica e sanitária".

O Brasil lidera as eliminatórias sul-americanas para a Copa do Catar com 6 pontos de vantagem sobre a segunda colocada, Argentina. Os quatro primeiros se classificam automaticamente para a Copa do Mundo.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade