PUBLICIDADE

Em entrevista, Cássio se despede: 'Estou em paz, fiz o meu melhor pelo Corinthians'

Arqueiro de 36 anos diz adeus após 12 anos e 712 jogos pelo clube do Parque São Jorge; goleiro revela que diretoria não tem pendências

18 mai 2024 - 13h27
(atualizado às 13h27)
Compartilhar
Exibir comentários

Após anúncio oficial realizado na sexta-feira, dia 17, o goleiro Cássio concedeu entrevista coletiva neste sábado no CT Joaquim Grava para de despedir oficialmente do Corinthians. O arqueiro de 36 anos fez um pronunciamento, em que agradeceu o tempo que passou no time alvinegro e revelou 'sair em paz' por ter dado o seu melhor no tempo em que permaneceu.

"Muitas lembranças e coisas boas que eu vivi aqui. Para alguns pode ser um dia triste, mas para mim são só coisas boas", disse Cássio. "O Corinthians existia antes do Cássio e vai continuar forte depois do Cássio."

Perguntado sobre sua saída 'inesperada' pelos torcedores, Cássio explicou o que foi essencial para definir sua despedida. "O ciclo acabou, estou tranquilo com relação a isso". O goleiro admitiu que no começo do ano surgiu uma oportunidade de sair e disse que optou por continuar. "Em momento nenhum teve atrito... são 12 anos e 5 meses. Acho que nesse momento eu preciso de um novo desafio."

"Eu não estou saindo do Corinthians porque estou indo pro banco. Estou saindo porque uma hora o ciclo acaba", explicou Cássio. "Eu fiz de tudo para ajudar o Corinthians. Eu saio tranquilo, com o dever tranquilo. Eu estive com o Corinthians nos momentos mais difíceis. Não abandonei o barco em nenhum momento."

Sobre seu futuro, Cássio despistou. "Não é a primeira vez que recebo proposta. Não tive só uma proposta. Mais pra frente vou falar para onde eu vou. Este não é o momento. É hora de falar sobre o Corinthians, sobre tudo que eu vivi aqui". Ele admitiu que, anos atrás, estava de malas prontas para ir para o Besiktas, da Turquia, mas optou por permanecer em São Paulo

Cássio relembrou a entrevista após o jogo com o Argentino Jrs, em que admitiu estar sentindo-se pressionado. "Tudo acontece quando tem que acontecer. Nada é pior quando sua família é ameaçada, isso aconteceu em 2022. E eu me mantive firme", revelou. "Depois da entrevista eu me senti leve", explicou sobre o depoimento. Ele explicou que não foi nesta noite em que decidiu sair do Corinthians.

O goleiro admitiu que a defesa mais importante da sua carreira foi a de Diego Souza, pelo Vasco, em 2012. No mesmo ano, o clube conquistou a história Libertadores. Ainda com futuro incerto, Cássio ainda não pensou sobre como vai ser jogar contra o Corinthians: "Não pensei nisso ainda", disse com um sorriso no rosto. "Não tenho contrato com nenhum clube ainda. Mas tenho certeza que vai ser especial. Vai ser uma novidade pra mim."

Sobre a situação financeira, Cássio garantiu que foi tudo resolvido com a diretoria e agradeceu ao presidente Augusto Melo pelas negociações.

Antes de Cássio, o presidente do Corinthians Augusto Melo falou em pronunciamento, sem perguntas aos jornalistas. O dirigente exaltou as virtudes de jogador como pessoa e agradeceu pelos 12 anos servindo ao Corinthians e os títulos conquistados. "Vai ser lembrado todos os dias", contou. Augusto Melo anunciou ainda a construção de um busto que ficará no Parque São Jorge. O goleiro foi presenteado com uma camisa enquadrada com o número 712.

As taças das conquistas de Cássio com o Corinthians estiveram em exibição na sala de coletiva no CT Joaquim Grava. O arqueiro conquistou, com a camisa alvinegra: Libertadores e Mundial de 2012, Paulistão em 2013, 2017, 2018 e 2019, Recopa Sul-Americana de 2013 e Brasileirão em 2015 e 2017. A última vez que a sala de imprensa do local esteve tão cheia foi na despedida de Ronaldo em 2011.

Carlos Miguel

"Tem jogado bem e tem muito potencial. Agora depende muito dele. Ele entra numa situação que ele é o goleiro titular do Corinthians. Agora sem um goleiro experiente à sombra dele". Cássio revelou que a relação entre os dois é boa e que sempre procurou ajudá-lo. "Qualidade e potencial ele tem muito. Na minha opinião, o Corinthians não precisa ir atrás de goleiros."

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade