1 evento ao vivo

Jornal: entidade registra propaganda neonazista durante Copa

4 ago 2014
08h09
atualizado às 08h11
  • separator
  • comentários

Apesar de ter sido alardeada pela Fifa e pelo governo brasileiro de Copa do Mundo contra o racismo e a discriminação, o Mundial de 2014 registrou diversos casos de movimentos neonazistas nos estádios, de acordo com a Fare, entidade que luta contra a discriminação no mundo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

<p>Jogo entre Alemanha e Portugal, que contou com a presença de Angela Merkel e outras autoridades, registrou bandeira neonazista na Fonte Nova</p>
Jogo entre Alemanha e Portugal, que contou com a presença de Angela Merkel e outras autoridades, registrou bandeira neonazista na Fonte Nova
Foto: AFP

Segunda a instituição, ao menos 14 atos de racismo ou discriminação foram registrados dentro dos estádios durante as 64 partidas da Copa do Mundo, sem quase nenhuma punição. A Fare aponta que os casos incluíram "abusos homofóbicos e racismo", mas o mais frequente foi o registro de "propaganda de extrema-direita europeia", presente desde a abertura entre Brasil e Croácia, quando croatas levantaram uma bandeira com uma saudação da organização fascista Ustashe, que atuou na Segunda Guerra Mundial.

Alemães também fizeram atos do tipo: em 16 de junho, na estreia contra Portugal, um torcedor estampou a Reichskriegsflagge, bandeira de guerra da Alemanha Imperial que é proibida em praticamente todo o território germânico. Russos também realizaram manifestação semelhante em duelo contra a Coreia do Sul - fora dos estádios, também foram notados atos em pontos turísticos do Brasil, como o Cristo Redentor. .

A Fare citou que é uma "vergonha" a Fifa não ter punido os responsáveis pelas manifestações. A entidade que comanda o futebol mundial, por sua vez, afirmou que chegou a investigar algumas das acusações feitas pela Fare, mas julgou inapropriado punir ou dar multas para as seleções.

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade