0

Fifa anuncia fundo com R$ 261 milhões como legado da Copa

20 jan 2015
16h53
atualizado às 17h09
  • separator
  • 0
  • comentários

O secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, anunciou nesta terça-feira, em São Paulo, que a entidade desembolsará US$ 100 milhões (cerca de R$ 261 milhões) para ações de desenvolvimento social e esportivo do futebol no Brasil, que segundo ele é mais um legado da Copa do Mundo.

"A imprensa diz que a Fifa vem a um país, toma o dinheiro e sai correndo depois da final. Isso não é verdade. A Fifa tem o compromisso de desenvolver o futebol em todos os países nos quais organiza torneios", disse Valcke em entrevista coletiva na Arena Corinthians, em São Paulo, na qual anunciou a criação do chamado Fundo de Legado junto à CBF.

Os US$ 100 milhões serão aplicados como legado para infraestrutura esportiva e desenvolvimento do futebol juvenil e feminino nos 15 estados onde não houve partidas da Copa, além de projetos sociais e comunitários. "A Fifa controlará até o último centavo a ser executado", prometeu o secretário-geral.

Marin e Valcke na entrevista coletiva sobre o fundo
Marin e Valcke na entrevista coletiva sobre o fundo
Foto: Fernando Dantas / Gazeta Press

O projeto, do qual 60% ficarão reservados para obras de infraestrutura esportiva, como estádios, vestiários e centros de treinamentos, começou a ser executado no Pará e continuará em sua primeira fase em Alagoas, Piauí, Tocantins, Rondônia e Roraima. O plano, segundo o presidente da CBF, José Maria Marín, faz parte da política de fomentar o trabalho do desenvolvimento do futebol de base em todo o país.

O dirigente francês também lembrou a importância do Mundial para o turismo no Brasil, que, segundo ele, "organizou uma Copa incrível".

"O legado vai além do dinheiro. Os 12 estádios construídos ou reformados para a Copa estão sendo utilizados. O maior êxito foi que todos os torcedores disseram que querem voltar ao Brasil, um país para ser visitado que ganhou um novo nível internacional em turismo", destacou.

De acordo com Valcke, falar sobre o torneio depois da disputa é mais fácil que durante a preparação, época na qual, como reconheceu, teve contrapontos com as autoridades brasileiras. "Tanto o Brasil quanto a Fifa aprenderam muito", considerou.

O representante da Fifa teve a companhia do coordenador do Grupo Executivo da Copa (GeCopa) do Ministério do Esporte, Luis Fernandes, de José Maria Marin, do vice-presidente e presidente eleito da confederação brasileira, Marco Polo Del Nero, e do CEO do COL e atualmente secretário de alto rendimento do Ministério do Esporte, Ricardo Trade, entre outros.

Membro do Conselho de Administração do COL e embaixador da Copa, Ronaldo também estaria no evento, mas teve problemas com o voo para São Paulo.

Luis Fernandes destacou que 44 obras públicas de grande porte de mobilidade urbana foram executadas pelo governo da presidente Dilma Rousseff por causa da Copa sem que fossem requeridas pela Fifa, e falou de um "legado múltiplo". Ele disse que o Brasil deixou uma imagem de país "eficiente, aberto e integrado" e ainda brincou: "só não sentimos saudade do resultado do jogo contra a Alemanha em Belo Horizonte (7 a 1, pelas semifinais)".

EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade