PUBLICIDADE

Maior artilheiro, Villa dá adeus com golaço, choro e vaias

23 jun 2014 14h47
| atualizado às 15h44
ver comentários
Publicidade
Autor do gol, David Villa é substituído no início do segundo tempo
Autor do gol, David Villa é substituído no início do segundo tempo
Foto: Reuters

Se dois dos grandes símbolos da recente era vitoriosa da Espanha, Xavi e Casillas, nem entraram em campo na vitória por 3 a 0 sobre a Austrália, nesta segunda-feira, na última rodada do Grupo B da Copa do Mundo, um terceiro nome tão importante quanto a dupla deixou sua marca. David Villa, o maior artilheiro da história da seleção, deu adeus à equipe nacional com um gol de letra. Ele deixou o gramado emocionado e chorou no banco de reservas, mas ouviu vaias em Curitiba. 

Quer acompanhar as notícias e jogos da sua seleção? Baixe nosso app. #TerraFutebol

Depois do jogo, Villa comentou sobre a despedida e torceu para que seu recorde de gols seja quebrado: "por mim eu jogaria a vida toda na seleção. Tomara que me superem, seria um orgulho para mim. Sempre estarei na história da seleção".

O atacante de 32 anos vai defender o Melbourne City, da Austrália, por seis meses, e no ano que vem vestirá a camisa do recém-fundado New York City nos Estados Unidos. Seleção espanhola, para o camisa 7, agora é passado, como ele próprio admitiu – embora seja um passado glorioso e vencedor, com 59 gols em 97 partidas, nove deles marcados em Copas do Mundo.

O máximo goleador da seleção sequer recebeu a oportunidade de entrar em campo nos dois primeiros jogos da Copa, quando a Espanha ainda estava no páreo pela classificação, mas acabou impiedosamente derrotada por Holanda (5 a 1) e Chile (2 a 0). Diego Costa foi o preferido para começar as partidas, e o apático Fernando Torres foi o substituto do brasileiro naturalizado nos dois confrontos. Ambos fizeram pouco.

Já no jogo dos eliminados contra a Austrália, nesta segunda, Villa teve a chance de começar jogando. Atuou aberto pela esquerda, como nos velhos tempos de Barcelona, na posição em que marcou cinco gols decisivos na Copa de 2010. Foi incansável no primeiro tempo, movimentando-se em diagonal, ajudando na marcação e dando muito trabalho ao lateral McGowan, que não conseguia desarmar o veterano espanhol.

Villa marca segundo gol da Espanha na Copa do Mundo de 2014
Villa marca segundo gol da Espanha na Copa do Mundo de 2014
Foto: AFP

A recompensa de Villa veio aos 36min. Iniesta deu passe primoroso para Juanfran, que chegou à linha de fundo e cruzou rasteiro. O artilheiro não perdoou e completou de letra para o fundo das redes. O último gol do maior de todos os goleadores da Espanha não foi comemorado efusivamente; apenas um abraço no autor da assistência e uma caminhada de cabeça baixa de volta para o centro do campo.

Nem mesmo aplausos ele recebeu quando foi substituído, aos 12min do segundo tempo. A torcida brasileira na Arena da Baixada, que vaiou até o hino espanhol e hostilizou os europeus a cada toque na bola, também aproveitou a saída de Villa para mais provocações ao atacante. Apenas os espanhóis, relativamente poucos, levantaram e o saudaram de pé. Eles sabiam que ali, tão importante quanto Casillas ou Xavi, estava mais um capítulo da era de ouro do país, encerrado muito antes do esperado.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade