PUBLICIDADE

Kyrie Irving se recusa a receber vacina contra a covid-19 e curte posts com teorias da conspiração

Astro do Brooklyn Nets, que já disse que a Terra é plana, aprova posts que dizem que imunizantes ligam pessoas negras a 'computador mestre'

26 set 2021 16h16
| atualizado às 16h17
ver comentários
Publicidade

Kyrie Irving está entre os poucos atletas da NBA que ainda não receberam nenhuma dose da vacina contra a covid-19. Embora não tenha se pronunciado publicamente sobre as razões para se recusar a ser vacinado, o astro do Brooklyn Nets tem consumido conteúdo com teorias da conspiração sobre a vacina nas redes sociais, como mostrou reportagem da revista norte-americana Rolling Stone.

Cerca de 50 a 60 atletas da NBA ainda não se vacinaram contra a covid-19 - a liga estima que 90% dos jogadores tenham recebido ao menos uma dose antes da pré-temporada 2021-22 começar, na próxima terça, 28. Além de ser uma das estrelas do torneio, Irving é vice-presidente do comitê executivo do sindicato dos jogadores, o que o dá influência sobre outros atletas.

As postagens curtidas por Irving afirmam que "sociedades secretas satanistas" estão implantando vacinas em um plano para conectar as pessoas negras a um computador mestre. Esta campanha de desinformação sobre o microchip da farmacêutica Moderna se espalhou entre grupos da NBA, segundo a Rolling Stone. Anteriormente, o jogador já havia dito que a Terra é plana, ou que, ao menos, não existiriam evidências de ser um globo.

Outras ligas esportivas americanas esperam ter mais atletas vacinados. A WNBA, liga de basquete feminino, chega a 99%, enquanto a NHL, de hóquei, projeta 98%. A NFL, de futebol americano, espera ter 93% de imunizados e a MLS, de futebol, 95%. Já a MLB, de beisebol, acredita que 85% de seus jogadores receberam alguma dose.

Apesar de ter uma grande disponibilidade de doses da Pfizer, Moderna e Janssen para serem aplicadas, a vacinação avança a passos lentos nos Estados Unidos, com 55,9% da população tendo o esquema vacinal completo e 64,9% com ao menos uma dose. Por conta disso, a variante delta segue crescendo no país e causou mais de duas mil mortes diárias nos últimos dias, principalmente nos locais com menos gente imunizada.

Estadão
Publicidade
Publicidade