PUBLICIDADE

Bottas acredita que 'rebeldia' na Mercedes teria gerado "muito mais tensão"

Considerado 'escudeiro' de Lewis Hamilton na Mercedes, Valtteri Bottas diz que desrespeitar ordens da equipe teria gerado mais problemas — mas admite que pensa no assunto

18 jan 2022 09h17
ver comentários
Publicidade
Valtteri Bottas e Lewis Hamilton foram parceiros na Mercedes de 2017 a 2021
Valtteri Bottas e Lewis Hamilton foram parceiros na Mercedes de 2017 a 2021
Foto: Mercedes / Grande Prêmio

COMO MERCEDES E RED BULL INFLUENCIARAM A F1 2021?

Valtteri Bottas deixa a Mercedes em 2022 após cinco anos como titular da equipe, com cinco títulos de Construtores na bagagem. E o finlandês, que ao longo de todo seu tempo na escuderia alemã foi visto como um 'escudeiro' para o heptacampeão mundial Lewis Hamilton, terá um novo papel na Alfa Romeo este ano na missão de guiar o novato chinês Guanyu Zhou. Questionado se uma maior 'rebeldia' aumentaria suas chances de brigar pelo título mundial, Bottas não soube responder — apesar de admitir que pensa sobre o assunto.

"Se eu soubesse a resposta para isso", disse Bottas ao podcast Beyond The Grid. "Se eu tivesse feito algo de diferente, como isso impactaria nas minhas chances. Tudo que sei é que se não fosse um bom piloto de equipe, teria havido muito mais tensão no time. Isso significaria menos cooperação entre eu e Lewis [Hamilton]. Significaria, a longo prazo, um desempenho não tão bom como equipe como tivemos agora", ressaltou.

Bottas optou por destacar o bom ambiente que se instalou na Mercedes durante sua parceria com Hamilton, completamente diferente do clima bélico que tomou conta da equipe nos anos anteriores à chegada do finlandês, quando a dupla da equipe era formada por Lewis e Nico Rosberg — amigos na época de kart, em relação que azedou com a disputa pelo título da Fórmula 1.

Valtteri Bottas ganhou o macacão azul como presente de despedida da Mercedes pelos serviços prestados (Foto: Mercedes)

"Porque se existe harmonia, se nós podemos trabalhar juntos, então estamos pelo longo prazo, pelos interesses da equipe", continuou. "Podemos desenvolver o carro juntos e discutir coisas abertamente. Além disso, sempre houve o fato de eu ter um ano de contrato, e se começasse a brincar, o que aconteceria?", questionou.

Por mais que o papel de Bottas na Mercedes tenha sido fundamental para o sucesso da escuderia na F1 nos últimos anos, o finlandês admite que a ausência de um título com o melhor carro do grid é algo que pode incomodar. Principalmente porque para um piloto de Fórmula 1, o foco é justamente ser campeão.

"Porque esse é o objetivo final, desde que você é criança, é o foco, seu sonho", explicou Bottas. "E [o título] sempre foi muito forte na minha mente, como objetivo, e foi uma força que me manteve trabalhando duro. É como se a cada dia, tudo que eu faça pelo esporte seja por isso", afirmou.

"Eu quero ser o melhor", continuou. "Eu quero ser o campeão. Então, sim, de certa forma, parece um pouco com fracasso, de que eu não consegui atingir isso com a Mercedes. Mas por outro lado, eu tentei tudo que podia. Dei tudo de mim, então não era para ser, pelo menos agora. Minha carreira ainda continua, e nesse esporte maluco que é a F1, você nunca sabe o que pode acontecer", destacou.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Valtteri Bottas com Frédéric Vasseur, chefe de equipe da Alfa Romeo (Foto: Alfa Romeo)

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade