PUBLICIDADE

Di Grassi critica competitividade da Mahindra após Diriyah: "Precisamos melhorar muito"

Após conseguir pole e pódio na estreia, na Cidade do México, Lucas Di Grassi perdeu oito posições ao longo do eP de Diriyah 2 e lamentou nível de competitividade da Mahindra na Fórmula E

29 jan 2023 - 11h43
Compartilhar
Exibir comentários
Di Grassi não está nada satisfeito com o nível atual de desenvolvimento da Mahindra
Di Grassi não está nada satisfeito com o nível atual de desenvolvimento da Mahindra
Foto: Fórmula E / Grande Prêmio

Pole na estreia da temporada 2022/2023 da Fórmula E, na Cidade do México, e terceiro colocado na corrida, Lucas Di Grassi surpreendeu o paddock da categoria ao conseguir segurar a Mahindra no pódio do Autódromo Hermanos Rodríguez. No entanto, um choque de realidade neste fim de semana, durante a rodada dupla de Diriyah, deu o tom real da situação da equipe indiana dentro do grid — e as notícias não são boas.

Lucas largou em sétimo na corrida 2 e buscou permanecer na zona de classificação durante toda a prova, mas não teve como competir com os rivais que seguiam próximos e terminou apenas na 15ª posição. Para o brasileiro, até equipes que ainda não demonstraram força no campeonato — como DS Penske e Maserati — têm conseguido um ritmo superior ao da Mahindra.

Relacionadas

Alonso destaca energia e motivação da Aston Martin: "Atmosfera muito especial"
À esquerda na imagem, Di Grassi chegou a ser tocado na largada e não conseguiu galgar posições em Diriyah
À esquerda na imagem, Di Grassi chegou a ser tocado na largada e não conseguiu galgar posições em Diriyah
Foto: Fórmula E / Grande Prêmio

"Foi um fim de semana muito difícil", resumiu Di Grassi. "Ontem, a gente foi bem na classificação. Largamos em sétimo, mas o carro não está competitivo para conseguir andar próximo a Porsche e Jaguar, ou até mesmo disputar contra DS e Maserati", admitiu o brasileiro.

De acordo com Di Grassi, a Mahindra só tem conseguido competir contra a NIO ou carros que usem o mesmo trem de força que o seu — no caso, a Abt Cupra. O brasileiro foi o único a ter pontuado no campeonato, entre os quatro carros que o usam o motor indiano, e destacou novamente que é necessário desenvolver o Gen3 para que seja possível competir com outras equipes.

"A gente está em uma situação em que precisamos melhorar muito o carro", lamentou. "Só conseguimos competir contra a NIO e contra quem tiver o trem de força da Mahindra, que eu tenho andado melhor e sou o único com pontos no campeonato. Mas precisamos melhorar muito para sermos competitivos", finalizou o brasileiro.

A próxima etapa da Fórmula E representará a primeira estreia da temporada no calendário. O eP de Hyderabad, na Índia, tem corrida marcada para o dia 11 de fevereiro, às 6h30 (horário de Brasília). Você acompanha a cobertura completa no GRANDE PRÊMIO.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Grande Prêmio
Compartilhar
Publicidade
Publicidade