PUBLICIDADE

MG notifica mineradoras com barragens em risco

No total, 31 unidades apresentam alguma situação de risco na região

11 jan 2022 15h42
| atualizado às 15h55
ver comentários
Publicidade

O governo de Minas Gerais, em conjunto com o Ministério Público Federal e Estadual, solicitou a todas as mineradoras que operam barragens em situação de risco no Estado a apresentarem informações adicionais de segurança. No total, 31 unidades apresentam alguma situação de risco na região. As informações foram fornecidas pelo governador mineiro, Romeu Zema (Novo), em entrevista à CNN.

Romeu Zema durante entrevista no Palácio Tiradentes, sede do governo, em Belo Horizonte (MG) Washington Alves/Estadão Conteúdo
Romeu Zema durante entrevista no Palácio Tiradentes, sede do governo, em Belo Horizonte (MG) Washington Alves/Estadão Conteúdo
Foto: Washington Alves / Estadão Conteúdo

"Notificamos essas mineradoras para que apresentem dados adicionais sobre a segurança dessas barragens para que essas estruturas sejam muito bem monitoradas e acompanhadas", disse Zema.

As empresas têm um prazo de 24 horas para responder ao questionamento.

O político afirmou ainda que o governo estadual tem monitorado constantemente a situação das barragens. Mas a força das chuvas nos últimos dias criou a necessidade de solicitar maiores informações. Para acompanhar o comportamento dessas estruturas, o poder estadual conta ainda com o apoio da Agência Nacional de Mineração (ANM), Corpo de Bombeiros e Polícia Militar.

"Esperamos que com isso a gente tenha a condição de dar um acompanhamento adequado", complementou o governador.

Até o momento, cerca de 17 mil pessoas estão desalojadas em Minas Gerais em decorrência dos temporais. O Estado possui 145 cidades em situação de emergência.

As chuvas intensas obrigaram mineradoras a paralisarem a produção, por questões de segurança. Na segunda-feira, Vale, Usiminas, CSN e Vallourec - que teve no fim de semana a atividade parada pela Justiça, após o transbordamento de um dique de sua barragem -, reportaram impactos nas operações.

Estadão
Publicidade
Publicidade