PUBLICIDADE

IPCA-15 sobe mais que o esperado em agosto com pressão de energia elétrica

O índice agora acumula alta de 4,24% até agosto

25 ago 2023 - 09h04
(atualizado às 09h56)
Compartilhar
Exibir comentários
O grupo Habitação subiu 1,08%, com o maior impacto vindo da alta de 4,59% da energia elétrica residencial
O grupo Habitação subiu 1,08%, com o maior impacto vindo da alta de 4,59% da energia elétrica residencial
Foto: Reprodução/iStock/RafaPress

O IPCA-15, Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 , subiu mais do que o esperado em agosto sob pressão dos custos da energia elétrica, com a taxa em 12 meses voltando a superar os 4%.

Em agosto, o índice registrou alta de 0,28%, depois de ter ficado quase estagnado por dois meses, com recuo 0,07% em julho e avanço de 0,04% em junho.

A leitura do indicador considerado prévia da inflação oficial, medida pelo IPCA, ficou bem acima da expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 0,17%.

Em 12 meses, o índice agora acumula alta de 4,24% até agosto, de 3,19% no mês anterior e contra projeção de analistas de 4,13%.

O resultado, assim, volta a superar os 4% pela primeira vez desde maio e fica acima do centro da meta para a inflação este ano, que é de 3,25% com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos medida pelo IPCA, indicando que a inflação já atingiu seu ponto mais baixo do ano como era esperado.

De acordo com o IBGE, os dados de agosto do IPCA-15 apontam que os preços de sete dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados subiram em agosto.

O que subiu?

O grupo Habitação subiu 1,08%, com o maior impacto vindo da alta de 4,59% da energia elétrica residencial, influenciada pelo fim da incorporação do Bônus de Itaipu, creditado nas faturas emitidas no mês anterior.

O segundo maior impacto veio do avanço de 0,81% de Saúde e cuidados pessoais, uma vez que os itens de higiene pessoal passaram de queda de 0,71% em julho para alta de 1,59% em agosto.

Também se destacou a alta em agosto de 0,71% de Educação, com os cursos regulares subindo 0,74%. Enquanto isso, Transportes avançou 0,23%, em resultado puxado pela alta de 2,94% nos preços do automóvel novo.

Os combustíveis, por sua vez, subiram 0,46%, com altas nos preços de gasolina (0,90%) e gás veicular (1,88%) e quedas no óleo diesel (-0,81%) e etanol (-2,55%).

A Petrobras anunciou em meados de agosto um reajuste grande de combustíveis -- aumento de 16,3% nos preços médios da gasolina e de 25,8% nos do diesel vendidos a distribuidoras -- que deve impactar com força o resultado do IPCA cheio do mês.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, já alertou que a autoridade monetária deve revisar suas projeções para o comportamento dos preços a partir desse novo dado, calculando uma elevação de 0,40 ponto percentual no IPCA entre agosto e setembro.

O que recuou?

Somente dois grupos apresentaram recuo de preços no mês de agosto-- Alimentação e bebidas, de 0,65%; e Vestuário, de 0,03%.

A alimentação no domicílio caiu 0,99% em agosto, com quedas nos preços da batata-inglesa (-12,68%), do tomate (-5,60%), do frango em pedaços (-3,66%), do leite longa vida (-2,40%) e das carnes (-1,44%).

O reajuste dos combustíveis anunciado pela Petrobras ocorre no momento em que o BC iniciou um ciclo de corte de juros, reduzindo a taxa básica Selic em 0,5 ponto percentual, a 13,25%, e prevendo novas reduções na mesma magnitude. A próxima decisão será em 19 e 20 de setembro.

A pesquisa Focus mais recente realizada pelo Banco Central junto ao mercado mostra que a expectativa é de que o IPCA encerre este ano com alta acumulada de 4,90%, indo a 3,86% em 2024.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade