0

É necessário reorganizar Mercosul para trazer Argentina de volta ao jogo, diz Mourão

13 mai 2020
12h28
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, defendeu nesta quarta-feira a necessidade de reorganizar o Mercosul para trazer a Argentina de volta à mesa de negociações, depois de o país vizinho anunciar no mês passado que deixará de participar das conversas em andamento para futuros acordos comerciais do bloco.

 24/5/2019  REUTERS/Florence Lo/Pool
24/5/2019 REUTERS/Florence Lo/Pool
Foto: Reuters

Em transmissão online com a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Mourão defendeu ainda que o governo do presidente Jair Bolsonaro não pode abandonar os esforços feitos por gestões anteriores de integração com os países do Mercosul, bloco formado por, além de Brasil e Argentina, Paraguai e Uruguai.

"Precisamos dar uma reorganizada aqui no Mercosul, até a própria questão política tem contaminado esse nosso relacionamento, temos que dar uma reorganizada nisso e trazer a Argentina de volta para o jogo", disse Mourão, que enfatizou que, paralelamente ao Mercosul, o Brasil não deve deixar de lado a busca por acordos comerciais bilaterais.

"É óbvio que o Brasil se reserva ainda a sua capacidade de fazer acordos bilaterais, mas é algo que foi exaustivamente trabalhado pelos nossos antecessores, essa integração dos quatros países, eu vejo que a gente não pode abandonar pura e simples", defendeu.

No mês passado, o governo argentino informou aos demais países do bloco que não irá participar das negociações em andamento para futuros acordos comerciais do bloco, mantendo apenas as que já estão em conclusão com a União Europeia e a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA). [nL2N2CD06I]

De acordo com Mourão, o Mercosul vem negociando acordos comerciais com países como Canadá, Coreia do Sul e Cingapura. Ele defendeu que o bloco sul-americano estabeleça negociações também com países árabes.

Veja também:

Flagrado com dinheiro na cueca, Chico Rodrigues pede afastamento do Senado por 90 dias
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade