PUBLICIDADE

Como a IA generativa está revolucionando o setor financeiro

É importantíssimo que as empresas desenvolvam as equipes para um melhor entendimento e aproveitamento das IAs generativas

15 ago 2023 - 06h25
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Adobe Stock

A grande repercussão da Inteligência Artificial (IA) generativa, assim como o impacto desse tipo de tecnologia no setor financeiro, não são assuntos novos. Entretanto, vivemos um cenário inédito em que toda essa movimentação está deixando o primeiro momento do hype generalizado e passa a apresentar soluções tangíveis para problemas reais do mercado.

Nas últimas semanas, recebemos notícias interessantes de grandes investimentos de gigantes do setor financeiro usando IA para potencializar os produtos, a experiência do cliente, bem como aumentar a eficiência ou a rentabilização dos ativos. É o caso do JP Morgan, terceira maior organização do mundo da área, que registrou recentemente a patente do IndexGPT.

Essa ferramenta nada mais é que uma IA generativa que se propõe a funcionar como um assessor, trazendo informações referentes ao setor, além de dar conselhos sobre investimentos.

A tecnologia e os dados que a sustentam são, na opinião do CEO da empresa, Jamie Dimon, fundamentais para o sucesso e o futuro da organização.  

Pouco tempo antes, a agência de notícias Bloomberg também anunciou o BloombergGPT, uma IA generativa proprietária desenvolvida dentro da companhia a partir de uma massa de dados gigantesca coletada, criada e organizada ao longo de 40 anos. 

A nova ferramenta pretende auxiliar em tarefas como a análise de sentimentos, o reconhecimento de entidades nomeadas e a classificação automática de notícias. Segundo o CTO da Bloomberg, Shawn Edwards, a expectativa é que essa nova ferramenta amplie os horizontes tecnológicos da empresa, reduzindo o time-to-market e melhorando o desempenho de aplicações desenvolvidas.

IAs generativas em curso por diversas áreas

Além do setor financeiro, outras IAs generativas estão em curso em diversas áreas, como automobilística, educação e logística, entre outras. O momento é empolgante, pois é possível observar a maturidade das empresas crescendo nesse assunto, conseguindo colocar em prática a utilização desse tipo de tecnologia na resolução de problemas que geram valor real para o negócio.

Contudo, mesmo com avanços consideráveis, ainda há um longo caminho pela frente. No mercado brasileiro, por exemplo, duas situações ainda são muito comuns: a primeira é a falta de informação concreta e consolidada sobre a segurança das ferramentas. Já a segunda é a utilização errada da ferramenta no que tange aos fatos e às pessoas.

A questão da segurança da informação ainda é bastante nebulosa com relação às IAs generativas, pois não há uma clareza no mercado sobre quais informações são retidas para melhoria do serviço e como essas informações são utilizadas ou disponibilizadas a outros usuários.

Além disso, ainda há uma parcela enorme de pessoas utilizando a ferramenta como mecanismo de busca para fatos e pessoas, finalidade a qual ela não se propõe.  

A exemplo disso, está o ChatGPT, que já demonstrou falhas preocupantes por inventar fatos e informações sobre pessoas, além de enviar citações de artigos científicos que não existem. Isso ocorre porque sua finalidade é a de geração de textos e não a busca de informações online.

Nesse sentido, é importantíssimo que as empresas desenvolvam as equipes para um melhor entendimento e aproveitamento das IAs generativas. Afinal, é inegável que essas ferramentas serão parte importante do sucesso de entrega das empresas. Mas isso só acontecerá com uma correta utilização e a consciência sobre como utilizá-las para gerar valor tangível.

(*) Neylson Crepalde é CTO da A3Data, consultoria especializada em dados e inteligência artificial; é PhD em Sociologia Econômica e das Organizações e professor de Engenharia de Dados e Cloud Computing na PUC Minas.

Homework Homework
Compartilhar
Publicidade
Publicidade