1 evento ao vivo

Chanceler brasileiro vai à Itália discutir investimentos

Ernesto Araújo se reunirá com o ministro do Interior Matteo Salvini e a ministra da Defesa Elisabeta Trenta

6 mai 2019
18h35
  • separator
  • 0
  • comentários

O Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, viajará a Roma entre amanhã e quarta-feira, ocasião em que manterá encontro com o vice-primeiro-ministro e ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, com a ministra da Defesa, Elisabeta Trenta, além de reuniões de trabalho com autoridades do Ministério dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação Internacional, a fim de discutir os principais temas da pauta bilateral, como comércio, investimentos, cooperação e temas regionais e globais.

Brasil e Itália mantêm Parceria Estratégica desde 2007. Em 2018, houve crescimento da ordem de 7% no comércio bilateral, que superou os US$ 8 bilhões. A Itália é um dos maiores investidores individuais no país e possui mais de 1.200 empresas atuando no território brasileiro.

Ernesto Araújo, ministro de Relações Exteriores
Ernesto Araújo, ministro de Relações Exteriores
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil / Estadão Conteúdo

Além das importantes relações comerciais, os dois países possuem importantes laços históricos e culturais. Cerca de 30 milhões de brasileiros são descendentes de italianos e existem significativas comunidades de brasileiros residentes na Itália e de italianos residentes no Brasil.

Araújo também visitará o Vaticano na quarta-feira e manterá reunião com o secretário de Estado da Santa Sé, Cardeal Pietro Parolin e com o secretário de Relações com Estados da Santa Sé, Monsenhor Paul Gallagher.

Os católicos correspondem a cerca de 65% da população brasileira, o que faz com que o Brasil seja considerado pela Santa Sé o maior país católico do mundo, e onde atua o mais numeroso episcopado da Igreja. Brasil e Santa Sé possuem forte convergência na defesa da família e dos direitos humanos, da paz e da segurança internacionais e na condenação ao terrorismo. O Brasil mantém relações diplomáticas com a Santa Sé desde 1826.

Depois, o chanceler brasileiro também visitará a Hungria e a Polônia.

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade