PUBLICIDADE

Verdade ou fake news: 5 acusações de Bolsonaro contra Globo

Nunca na história do Brasil um presidente da República teve uma relação tão tensa com uma emissora de TV

15 dez 2021 11h21
ver comentários
Publicidade
Bolsonaro oscila entre fúria e sarcasmo ao falar da Globo
Bolsonaro oscila entre fúria e sarcasmo ao falar da Globo
Foto: Fotomontagem: Blog Sala de TV

“Aos amigos, os favores; aos inimigos, a lei”, escreveu o filósofo Nicolau Maquiavel, autor de ‘O Príncipe’, verdadeiro manual a políticos com ambição de dominar o povo. Na versão de Jair Bolsonaro, os adversários são alvo de sua verborragia sem fim. O presidente não cansa de falar mal daqueles que ousam criticá-lo ou fazer oposição.

O Grupo Globo é seu inimigo número 1 desde sempre. Muito antes de chegar ao Palácio do Planalto, ele já atirava contra a maior companhia de comunicação do País. Artigos em ‘O Globo’ e matérias da TV Globo o deixam profundamente irritado. Em quase toda live semanal, Bolsonaro exibe algum recorte do impresso para rebater informações e dispara contra conteúdo exibido na emissora.

Selecionamos cinco das mais graves acusações do presidente contra o império da família Marinho.

1 - Mamata

“Vocês vivem em grande parte, aqui, com recursos da União. São bilhões que o Sistema Globo recebe de recursos da propaganda oficial do governo”, acusou Bolsonaro ao ser sabatinado por William Bonner e Renata Vasconcellos na bancada do ‘Jornal Nacional’ em 28 de agosto de 2018.

A verba direcionada pela Presidência da República, ministérios e estatais nunca chegou, anualmente, na casa do bilhão. Entre os governos de Fernando Henrique Cardoso, Lula, Dilma e Temer, variou de R$ 400 milhões a R$ 500 milhões. A quantia de publicidade federal jamais representou mais do que 5% das receitas do Grupo Globo. Com Bolsonaro no Planalto, a empresa da família Marinho passou a receber menos de R$ 100 milhões por ano.

Conclusão: fake news; dizer que a emissora se beneficiava de “mamata” é um exagero.

2 - Cúmplice do regime militar

“Roberto Marinho foi um ditador ou um democrata?”, provocou Bolsonaro na mesma entrevista ao vivo no ‘JN’ na campanha presidencial. O então candidato repetiu trecho do editorial publicado pelo jornalista em ‘O Globo’ no dia 7 de outubro de 1984, assumindo o apoio ao golpe de 1964 e defendendo o regime militar que durou 21 anos. No dia 7 de dezembro deste ano, o presidente voltou pela enésima vez a debochar da relação íntima da família Marinho com os generais. “TV Globo, parabéns. TV Globo, sempre ao lado dos militares, de 64 a 85. Parabéns, TV Globo, parabéns”, disse.

Os veículos de comunicação de Roberto Marinho realmente ficaram ao lado da cúpula de farda no período em que os brasileiros viveram sem democracia. Somente em 2013, dez anos após a morte do fundador do canal, o Grupo Globo fez um mea-culpa. “O apoio editorial ao golpe de 64 foi um erro”, afirmaram os âncoras dos telejornais, repetindo o editorial publicado em ‘O Globo’.

Conclusão: verdade; a ditadura militar contou com a influência da Globo para divulgar o que interessava aos militares no comando.

3 - Corrupção bilionária

Em 17 de setembro de 2020, Bolsonaro compartilhou em seu perfil no Twitter uma matéria exibida na noite anterior no ‘Jornal da Record’, a respeito de suposta conivência da Globo com hipotético esquema de compra de votos para a escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. “Os esquemas bilionários da Globo. Corrupção para valer é com a família Marinho”, escreveu o presidente.

Um mês antes, Bolsonaro já havia questionado a honestidade de dois dos três donos da emissora, citados em delação do ‘doleiro dos doleiros’ Dario Messer ao Ministério Público Federal. William Bonner leu nota de esclarecimento no ‘Jornal Nacional’: “Roberto Irineu Marinho e João Roberto Marinho não têm e nunca tiveram contas não declaradas às autoridades brasileiras no exterior. Da mesma forma, nunca realizaram operações não declaradas às autoridades brasileiras”. No Twitter, Bolsonaro insistiu: “R$ 1,75 bilhão... é o valor que pode ter sido repassado em dinheiro vivo à família Marinho da Globo, segundo o doleiro Dario Messer”.

Conclusão: fake news, por enquanto; não há denúncia formal contra a TV e seus proprietários nos casos citados.

4 - Dívidas de impostos

Há anos circula o boato de que a Globo deve “bilhões” à União. A emissora seria a empresa mais inadimplente do País. Antes mesmo de chegar ao Palácio do Planalto, Bolsonaro deu eco a essa narrativa. De acordo com dados recentes, a TV tem R$ 300 milhões em débitos com o Estado, considerando impostos e pendências de repasses ao INSS. Dessa quantia, apenas R$ 1 milhão está irregular. O resto já foi negociado ou teve decisão judicial favorável ao canal.

Conclusão: fake news; a dívida não é gigantesca e está sob controle.

5 - Perseguição

O presidente se apresenta como vítima do poder do maior grupo de comunicação do País. “A Rede Globo persegue a mim e a minha família”, reclamou no dia 22 de janeiro de 2021. O mesmo argumento foi usado em agosto do ano passado. “Há pelo menos 10 anos o sistema Globo me persegue e nada conseguiram provar contra mim”, escreveu no Twitter.

Não há prova de que a emissora orquestrou contra Bolsonaro, antes ou após a eleição. Mas, inegavelmente, é um canal antibolsonarista na questão ideológica, ainda que a família Marinho historicamente tenha mantido fortes laços com a direita e seja antipática à esquerda. Ao final de todas as matérias com críticas ou denúncias sobre o presidente e seus filhos, os telejornais da Globo sempre informam ter havido tentativa de ouvir as pessoas citadas. Na maioria das vezes, não quiseram se manifestar. “O Palácio do Planalto não deu retorno ao nosso contato” é uma frase recorrente dita pelos âncoras William Bonner e Renata Vasconcellos.

Conclusão: fake news; o jornalismo da Globo não acossa Bolsonaro, apenas não poupa o presidente e seu clã, como fazem os telejornais de algumas emissoras concorrentes.

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade