PUBLICIDADE

José Padilha se arrepende de retratar Sergio Moro como herói em "O Mecanismo"

27 mai 2022 21h51
ver comentários
Publicidade
Foto: Divulgação/Netflix / Pipoca Moderna

O cineasta José Padilha, que acertou o tom nos dois filmes de "Tropa de Elite", assume ter errado feio na narrativa da série "O Mecanismo", que retratou o ex-juiz Sergio Moro como herói. Na série, o juiz da Lava-Jato foi representado pelo personagem juiz Paulo Rigo, interpretado por Otto Jr. O desabafo veio à tona durante uma entrevista à revista Veja.

"Ele não iria trabalhar para um presidente sem pesquisar um pouco sobre a vida dele. Em suma, eu fui naïve. Fui ingênuo. Mas não só eu, um monte de gente caiu na mesma ilusão", disse Padilha sobre Moro e Jair Bolsonaro.

"O cara se associou aos milicianos, aos mafiosos, é inacreditável essa trajetória. Realmente, eu fui um idiota de ter acreditado em Sergio Moro", acrescentou Padilha.

O diretor confirmou ter até se afastado de Wagner Moura por causa de discordâncias políticas, e mandou um recado para o ator: "Os dois estavam errados, na minha opinião. Mas é uma burrice você criar picuinha e estresse com um amigo por divergências em torno de política. Eu dou meu braço a torcer, e digo aqui: Wagner, você tinha toda a razão sobre a Lava-Jato. Sem problema nenhum".

Hoje, ele diz que faria a série "O Mecanismo" sem heróis. "Ia ter só bandido dos dois lados. Um roubando os cofres públicos, o outro deturpando as leis processuais para atingir objetivos - que depois viraram objetivos políticos, sim. Ficou bem claro que teve uma perseguição", destacou.

"Não estou dizendo que Lula não sabia da corrupção. Evidente que sabia. Mas ficou óbvio que houve uma exacerbação dos casos contra Lula para tirá-lo da eleição. Se refizesse O Mecanismo, não é que o PT seria melhor, é que seria tudo ruim. O PT, o Ministério Público, o Sérgio Moro. Estava tudo errado ali", aponta o cineasta.

E embora afirme não ter mudado de opinião sobre o Partido dos Trabalhadores, se o segundo turno da eleição presidencial for entre Lula (PT) e Bolsonaro (PL), votará no petista com a consciência tranquila.

"Voto nele sem pestanejar. Pois não adianta viver no mundo ideal, abstrato, descolado do que ocorre. A escolha está dada para o brasileiro", acrescentou, antes de comentar a alternativa.

"Bolsonaro é um sujeito que traz em si todas as características do miliciano do 'Tropa de Elite 2'. O final do 'Tropa 2', que mostra os milicianos chegando à política, foi profético de uma maneira que eu gostaria que não tivesse sido", completou.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade