PUBLICIDADE

BBB22: por que famosos continuam se submetendo ao reality?

Engajamento é um dos motivos que levam famosos como Jade Picon e Tiago Abravanel a dizerem "sim" a Boninho

20 jan 2022 19h24
ver comentários
Publicidade

Antes mesmo de ser confirmada no 'BBB22', Jade Picon foi alvo de piada nas redes sociais. Cotada para edição, alguns fãs do reality a consideravam "rica demais" para participar do programa, que convida famosos desde a edição de 2020.

Apesar de toda a sátira em torno da participação da influenciadora digital, o movimento levantou uma questão a ser discutida: afinal, por que famosos continuam se submetendo a experiências como o reality show? 

Após uma edição marcada por cancelamentos e recorde de rejeição em toda a história do programa, como a de 2021, dizer “sim” a Boninho não parece ser uma escolha tão viável para quem já acumula volumoso patrimônio financeiro. Bom, só parece. 

Para Renan Colombo, doutor em ciências da informação e especialista em mídias digitais, existe uma tríade de argumentos que justifica o interesse dos famosos no reality. O primeiro deles é que as celebridades que aceitam o convite não são necessariamente consagradas. Geralmente, são pessoas que têm fama reduzida a nichos e bolhas.

Jade Picon é uma das participantes do 'Camarote' no 'BBB22'.
Jade Picon é uma das participantes do 'Camarote' no 'BBB22'.
Foto: Instagram/ @jadepicon / Reprodução

"Se a gente pegar a edição de 2020, por exemplo, o Babu era um ator que fez filmes nacionais, mas não tinha uma carreira consolidada; Manu Gavassi, já era cantora, mas tinha uma conexão enfraquecida com os jovens. A própria Karol Conká era mais conhecida só no universo rapper. De certa maneira, se não fosse a internet, possivelmente muitas dessas pessoas, como a Jade Picon, nem seriam conhecidas a ponto de serem convidada para o que chamamos de 'camarote'", avalia.

A legitimação da fama
O segundo motivo que pode justificar a ida de pessoas já conhecidas ao reality, de acordo com o especialista, é a legitimação da fama. Geralmente famosas na internet, essas celebridades procuram a televisão, meio de comunicação tradicional e consolidado, para que possam conversar com outros públicos. Com isso, ganham admiradores em escala nacional e expandem sua presença onde já possuem considerável força - nas redes sociais.

Colombo explica que ganha mais quem consegue circular entre todas as mídias. A consequência desse movimento leva ao terceiro ponto dessa tríade, o engajamento. Transitar entre diferentes formatos é plantar popularidade e colher poder a curto e médio prazo. 

"Ter seguidores nas mídias hoje é sinônimo de poderio financeiro. Se você tem um perfil no Instagram com um milhão de fãs, por exemplo, você já pode ser considerado um influenciador relevante e já tem possibilidade de conduzir uma carreira e converter isso em renda", acrescenta. 

O prêmio se torna quase nada
A especialista em redes sociais Adriana Coutinho, CEO da Acout+ e administradora das redes sociais da cantora Pocah durante o 'BBB21', avalia que a visibilidade dada pelo programa tem mais valor do que o próprio prêmio de R$ 1,5 milhão oferecido ao vencedor. Para ela, o prêmio se torna pequeno perto das chances de crescimento exponencial do engajamento com o alcance nacional.

"O número de seguidores e comentários aumentam, e os convites e valores dos trabalhos, também", acrescenta.

Adriana, por outro lado, chama a atenção para a "inocência" dos famosos. "Todo mundo tem atitudes e posturas que não agradam, mas eles pensam que o que aconteceu com Karol Conká não acontecerá com eles", afirma. 

Para quem não lembra, a rapper foi a quarta eliminada do 'BBB21' com 99,17% dos votos, em um paredão triplo contra Gilberto Nogueira e Arthur Picoli. 

 

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade