PUBLICIDADE

BBB22: Justiça pode punir quem compartilha vídeos vazados

Especialista explica que vítima pode processar tanto quem vazou, quanto quem replica imagens íntimas vazadas, como no caso Natália

19 jan 2022 13h17
ver comentários
Publicidade

A designer Natália Deodato, de 22 anos, começou a quarta-feira (19) entre os assuntos mais comentados do Twitter. O motivo? Imagens da participante do 'BBB22' tendo relações sexuais vazaram durante a madrugada.

Confinada no reality, a modelo nem faz ideia do que está acontecendo aqui fora. Todavia, a equipe que administra suas redes sociais já anunciou que está tomando as medidas cabíveis para contornar a situação.

“Isso é muito sério e nenhuma pessoa deveria passar por essa exposição. Pedimos que denunciem todas as publicações [com este tipo de conteúdo] e também perfis que estão compartilhando. Precisamos derrubar esse vídeo e precisamos da ajuda de vocês!”, diz um trecho do comunicado, que recebeu apoio das equipes de Eslô Marques e de Bárbara Heck.

Natalia BBB22
Natalia BBB22
Foto: Reprodução/Instagram

A postura da equipe tem amparo judicial. A advogada Ana Paula Kosak, especialista em Direito Penal e Criminologia, reforça que o vazamento de imagens íntimas é considerado um delito desde 2018, quando uma mudança no Código Penal incluiu a divulgação de nudez sem consentimento da vítima.

“Na palavra ‘vazar’ já presume-se que não houve consentimento da pessoa que teve sua imagem exposta. (...) Não havendo consentimento, há crime. Com isso, podemos avaliar que a divulgação dessa imagem, expor ela e ferir sua honra, é um crime”, explica.

A especialista acrescenta que a prática criminosa não é apenas de quem divulga as imagens, como também de quem replica o conteúdo. Apesar de não serem responsáveis pelo vazamento, a legislação brasileira entende que essas pessoas se tornam cúmplices do crime. A penalidade imposta nesses casos pode envolver responsabilização penal, com 1 a 5 anos de reclusão.

A vítima também pode acionar os criminosos no âmbito civil e pedir uma indenização. O valor varia conforme cada caso, de acordo com o impacto e dano causado na vida de quem teve sua intimidade exposta. 

"No caso de Natália, que está no 'BBB', pode-se esperar um valor maior por conta da exposição à qual ela está submetida”, analisa a especialista.

Vazou meu nude! Como agir?
No caso de Natália Deodato, a equipe responsável por suas redes agiu assim que soube do caso. Para Ana Paula Kosak, essa é a postura mais adequada.

“A pessoa que for vítima deste delito tem que se dirigir imediatamente a alguma autoridade policial para fazer o registro do boletim de ocorrência, narrar toda a situação e tentar identificar quem foi que compartilhou aquela informação. Leve o celular e dê todas as informações necessárias para que a polícia faça a apuração e, eventualmente, a prisão do sujeito”, orienta.

Retirar o conteúdo da internet, no entanto, já é mais complicado. Isso porque, uma vez que foi compartilhado na rede, é difícil controlar como cada usuário lidará com aquele material - seja denunciando ou salvando em seu arquivo pessoal, por exemplo. Apesar disso, a advogada aconselha que sejam emitidos pedidos de retirada sempre que o conteúdo voltar à tona.

Para evitar situações como essa, a advogada Ana Paula Kosak recomenda cuidado com quem esse tipo de imagem é compartilhado, bem como quais materiais são armazenados no computador e no celular.

"Sabemos hoje que nossos aparelhos não são invioláveis", afirma. 

Natália não é a primeira
A participante do 'BBB22' não é a primeira que tem sua intimidade exposta, no reality ou fora dele. O caso mais emblemático é o da atriz Carolina Dieckmann, em maio de 2012.

Na ocasião, a atriz teve 36 fotografias pessoais e algumas conversas íntimas divulgadas nas redes sociais sem autorização. O vazamento desencadeou uma movimentação política que levou à tramitação, em regime de urgência, de um projeto de lei para penalizar este tipo de prática na internet.

Em 30 de novembro daquele ano, a então presidente Dilma Rousseff sancionou a lei 12.737/2012, que tipificou o crime digital no Código Penal.

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade