PUBLICIDADE

Série brasileira ‘O Diário de Mika’ concorre ao Emmy Kids

Animação do estúdio Supertoons vence as dificuldades de se produzir conteúdo infantil para TV

10 abr 2018 11h20
ver comentários
Publicidade

Nesta terça-feira (10) acontece em Cannes, na França, a cerimônia do International Emmy Kids Awards, premiação de produções voltadas a adolescentes e crianças.

A série de animação mostra as descobertas de uma garotinha de quatro anos em seu mundo lúdico
A série de animação mostra as descobertas de uma garotinha de quatro anos em seu mundo lúdico
Foto: Supertoons / Divulgação

A televisão brasileira tem três representantes entre os indicados: a primeira temporada do ‘talent show’ ‘The Voice Kids’, da Globo, a websérie ‘Eu Só Quero Amar’, originada de trama de ‘Malhação – Seu Lugar no Mundo’, também do canal carioca, e a série de animação ‘O Diário de Mika’, do estúdio paulistano Supertoons.

Elizabeth Mendes e Dario Bentancour Sena, criadores de ‘Mika’, trabalharam 25 anos com Mauricio de Sousa, o pai da ‘Turma da Mônica’, antes de inaugurar a própria produtora.

A equipe do Supertoons é responsável por sucessos como ‘Carrossel em Desenho Animado’ (SBT), ‘Zupt! Com Senninha’ (Discovery Kids) e ‘Tronquinho e Pão de Queijo’ (Gloob).

A primeira temporada de ‘O Diário de Mika’ ganhou transmissão nos canais Disney Junior, TV Brasil e Rede Brasil, além de ter seu próprio canal no YouTube.

Os produtores Dario Bentancour Sena e Elizabeth Mendes com a versão de Mika vista no musical originado da animação
Os produtores Dario Bentancour Sena e Elizabeth Mendes com a versão de Mika vista no musical originado da animação
Foto: Supertoons / Divulgação

De Cannes, a criadora da série, Elizabeth Mendes, e o produtor executivo Dario Bentancour Sena conversaram com o blog.

Como surgiu a ideia da série?

A criadora e diretora da série, Elizabeth Mendes, se inspirou principalmente em uma de suas sobrinhas para criar a personagem Mika, além dos próprios filhos quando crianças. Ao observar a pequena sobrinha, percebendo como ela se relacionava e descobria as coisas do mundo, Elizabeth começou a desenhar e definir os traços da personalidade de Mika. A ideia ficou engavetada durante muitos anos e, quando surgiu a oportunidade de dar vida à série, a personagem ganhou novos traços, ficou mais moderna. Antes, seu diário era um caderno, agora é um tablet.

Qual a técnica de animação utilizada e quanto tempo durou a produção da primeira temporada? 

Utilizamos a técnica de animação 2D digital, que também é conhecida como cut-out. Porém, em algumas cenas mais complexas, utilizamos a técnica tradicional de animação 2D, aquela em que se faz vários desenhos para um único segundo de animação. A produção durou cerca de um ano e meio e envolveu cerca de 60 profissionais entre roteiristas, desenhistas, animadores, dubladores e outros especialistas da área.

Quais os principais temas abordados na série?

A série gira em torno de Mika, uma menina de quatro anos muito curiosa que está aprendendo a lidar com todas as novidades que o mundo tem a oferecer. A cada acontecimento que surge em sua vida, ela corre até seu quarto e, por meio de desenhos feitos em seu tablet, conta o que está acontecendo para seus amigos brinquedos, que ganham vida em sua presença. Com a ajuda desses amigos, Mika vai investigar, aprender e descobrir um monte de coisas novas. A série apresenta um novo olhar sobre os temas abordados no fantástico mundo de descobertas e conquistas de crianças em idade pré-escolar. Todos os episódios têm acompanhamento de psicopedagoga.

Na era das crianças conectadas desde cedo à internet, fazer animação que agrade a esse público infantil é um desafio?

Sempre foi um desafio produzir para crianças pois é preciso agradar o gosto delas e também o dos pais, sem contar o compromisso ético e moral que um produto de grande porte deve ter com esse público. Hoje em dia vemos as crianças consumindo produções extremamente baratas no YouTube, que é um dos maiores players da atualidade. Muitas produções são carentes de conteúdo de qualidade, mas entretêm os pequenos, servem de passatempo. Esses conteúdos não têm grandes ambições e compromissos com os pais ou mesmo com as crianças, e mesmo assim agradam. É importante buscar caminhos para satisfazer ao público, mas é preciso saber que não conseguimos agradá-lo em sua totalidade, justamente pelas diferenças em relação aos hábitos de consumo de cada criança, de cada família. Noss o objetivo foi criar histórias lúdicas e divertidas em que as crianças pudessem se reconhecer e aprender com situações que muitas delas vivenciam. Tentamos explorar ao máximo a criatividade para que possamos nos conectar com as crianças e seus pais, principalmente em relação às rápidas mudanças nos hábitos de consumo do público infantil.

A TV aberta apresenta pouco espaço para a programação infantil e, consequentemente, para formar nova geração de telespectadores. O que acham desse posicionamento das grandes emissoras?

A diminuição da programação infantil na TV aberta é um reflexo da complexidade do mercado voltado para crianças, mais especificamente na veiculação de comerciais direcionados a esse público na TV. Hoje em dia existem muitas legislações e regulações que cercam a propaganda voltada para o público infantil. Isso faz com que o número de anunciantes caia e, consequentemente, a programação diminua. Algumas emissoras abertas ainda apostam na programação infantil, e isso é ótimo! Por mais que a renda das TVs venha essencialmente dos comerciais, esse tipo de programação deveria ser privilegiada pois as crianças merecem seu espaço; merecem se divertir e aprender com desenhos transmitidos pela TV.

O que falta para que os produtores de animação brasileiros consigam desenvolver e exibir mais projetos?

A produção de animação é muito cara, demorada e trabalhosa. Faltam recursos financeiros para desenvolver esses projetos. Existem formas de captação de verba em editais do governo para produção de obras audiovisual, porém são processos muito burocráticos e demorados. Os pequenos produtores têm grande dificuldades de conseguir apoio para desenvolver seus projetos. Esse cenário vem melhorando, principalmente pela lei da TV paga, que obrigada as emissores a cabo a exibirem conteúdos produzidos nacionalmente. É um grande incentivo para a produção brasileira e serve de combustível para os órgãos governamentais darem mais atenção a nós, produtores.

 Detalhe do tablet no qual a personagem Mika cria suas histórias
Detalhe do tablet no qual a personagem Mika cria suas histórias
Foto: Supertoons / Divulgação

Em tempo: ‘O Diário de Mika’ virou musical e teve uma bem-sucedida temporada num teatro da zona leste de São Paulo. O espetáculo fará turnê pelo País. A segunda temporada da série, com 26 episódios, já está em produção.

Veja também

Em 97 Era Assim Trailer Original:

 

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade