0

Professor de TV aponta erros da Globo na matéria da trans

Marco Vale ressalta a importância de o jornalismo não tentar manipular as emoções do telespectador

22 abr 2020
11h18
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O Brasil se emocionou e, em seguida, demonstrou revolta com a presidiária transexual Suzy de Oliveira, entrevistada por Drauzio Varella na edição de 1.º de março do Fantástico. A frase de efeito do médico, suscitada por empatia — "Solidão, né, minha filha?" — e o abraço paternal oferecido por ele fizeram milhares de brasileiros romperem a barreira do duplo preconceito (contra detentos e transexuais) para se solidarizar com a entrevistada. A compreensão deu lugar ao horror quando o crime de Suzy foi revelado dias depois pela imprensa: estuprar e matar um garoto de 9 anos.

O momento do abraço de Drauzio em Suzy: a solidariedade geral virou indignação coletiva
O momento do abraço de Drauzio em Suzy: a solidariedade geral virou indignação coletiva
Foto: Reprodução

Boa parte do público da Globo se sentiu enganada por não ter sido informada da gravidade do delito. Igualmente surpreendido com os detalhes da condenação, Drauzio foi cruelmente atacado nas redes sociais. A emissora alegou não ter considerado relevante citar o histórico criminal da presidiária. O episódio gerou discussões acaloradas na sociedade e na web. O Terra ouviu o professor Marco Vale, coordenador do curso de Rádio, TV e Internet da Cásper Líbero, primeira escola superior de Jornalismo do Brasil, fundada em 1947. Na análise dele, a maior falha do Fantástico foi manipular a emoção do telespectador.

"Um erro comum de equipes de telejornalismo é apelar para o sentimentalismo, transformando personagens reais complexos, que vivem em realidades complexas, em personagens unidimensionais de narrativas melodramáticas", afirma.

"A direção e a edição da matéria, efetivamente, fizeram com que os espectadores achassem que a entrevistada Suzy estivesse presa por delito de menor periculosidade, como era o caso de outras entrevistadas da matéria, e não pelo assassinato tão chocante de uma criança. O público se sentiu traído e logo cobrou da emissora que fez a matéria."

O professor Vale avalia que uma das consequências de tal imprecisão na matéria pode ser o recrudescimento do preconceito. "Acaba sendo um desserviço a qualquer apelo de maior tolerância em nossa sociedade. Ao ser constatada pelo público, este tipo de desinformação estimula os intolerantes a propagar os seus discursos de ódio."

Nenhum veículo de comunicação deve transformar uma história complexa em melodrama, afirma o professor Marco Vale
Nenhum veículo de comunicação deve transformar uma história complexa em melodrama, afirma o professor Marco Vale
Foto: Divulgação

Como não cometer equívoco semelhante capaz de quebrar a confiança do público em relação a um veículo de comunicação e ao jornalismo em geral? "Penso que tanto no telejornalismo como no documentário audiovisual esse tipo de erro é evitado quando você, repórter ou documentarista, não projeta seus melhores ou piores sentimentos nos outros, que estão diante de suas câmeras e microfones", explica Marco Vale, mestre e doutor pela USP (Universidade de São Paulo) e diretor de vários documentários.

"Acho complicado quando o entrevistador ou repórter faz questão de mostrar seus sentimentos para a câmera. Existe aí uma relação narcisista do profissional de comunicação, uma vontade de mostrar uma melhor imagem de si mesmo. É sempre importante lembrar que o repórter nunca deve ser mais importante do que os personagens reais retratados. Que as emoções nas imagens emanem deles, não do repórter."

Veja também:

Editor do L! analisa retorno de Fred ao Fluminense
Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade