0

Nicette era espírita atuante: “A vida não termina no túmulo”

Atriz morta aos 87 anos por covid-19 orava pela alma do marido Paulo Goulart e tinha certeza do reencontro espiritual com ele

21 dez 2020
10h49
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Nicette Bruno dizia ser uma mulher com “consciência e fé”. Procurava enxergar a vida com realismo, apoiada em sua religiosidade. Foi uma das mais famosas divulgadoras do Espiritismo no Brasil. Falava da doutrina difundida pelo francês Allan Kardec (1804-1869) nas entrevistas. “A vida não começa no berço e não termina no túmulo”, afirmou em entrevista à TV Mundo Maior, da Fundação Espírita André Luiz. “Há continuidade do espírito, de conhecimento e realização.”

Nicette sempre acreditou na vida após a morte e em reencarnação
Nicette sempre acreditou na vida após a morte e em reencarnação
Foto: Fotomontagem: Blog Sala de TV

O contato com o kardecismo começou ainda na infância, quando a pequena Nicette ouvia a avó comentar sobre os ensinamentos do Dr. Bezerra de Menezes, um dos mais conhecidos mentores do Espiritismo. Quando se casou, ela e Paulo Goulart receberam orientações de outro mestre desencarnado, Dr. Leocádio José Correa, para conciliar a trajetória terrena com a evolução espiritual. “Estudamos a doutrina em sua forma científica, filosófica e religiosa”, contou.

O ator morreu aos 81 anos, de câncer, em março de 2014. A perda de seu companheiro por 62 anos não abalou a fé de Nicette. Pelo contrário: apegou-se ainda mais ao Espiritismo e dizia ter conseguido “uma paz interior de aceitação”. “Você sente a falta, a saudade. Isso vai comigo sempre. Mas não fica aquele desespero excessivo, de ficar para baixo. Eu procuro viver no melhor sentido para que inclusive essa minha energia se amplie e chegue até ele”, relatou a atriz à revista ‘Quem’.

Os dois formaram um dos casais mais carismáticos do universo artístico. Tive a oportunidade de visitá-los para uma entrevista no ano 2000, no apartamento onde moravam na Lagoa, zona sul do Rio. Paulo me recebeu de pijama e chinelos. Nicette logo trouxe café. O tempo todo estavam sorridentes, solícitos, empáticos. Eram os mesmos diante das câmeras e nos bastidores.

Nicette e Paulo Goulart no casamento, em 1954, e na festa das Bodas de Ouro: foram 62 anos de convivência até a morte do ator
Nicette e Paulo Goulart no casamento, em 1954, e na festa das Bodas de Ouro: foram 62 anos de convivência até a morte do ator
Foto: Reproduções

Na conversa à TV Mundo Maior, a atriz comentou também a respeito da ligação com o marido, com quem formou uma família feliz e um clã artístico. “Existia afinidade entre nossos espíritos. Havia uma cumplicidade entre nós, além do grande amor que nutríamos um pelo outro. Tenho certeza que essa reencarnação não foi a primeira que nos encontramos. Nós nos reencontraremos.”

Tal amor merece, realmente, seguir pela eternidade. 

Veja também:

Saiba tudo sobre os 14 participantes do 'BBB21'
Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade