0

Mulher, negra, gorda e famosa: uma afronta aos intolerantes

Ataques preconceituosos contra a atriz Cacau Protásio ressaltam o acirramento da intolerância no País

28 nov 2019
12h17
  • separator
  • 0
  • comentários

Em lágrimas, Cacau Protásio fez em vídeo postado nas redes sociais um desabafo a respeito do racismo, da gordofobia e do machismo aos quais foi exposta em mensagens de WhatsApp trocadas entre alguns membros do Corpo de Bombeiros do Rio.

Cacau Protásio é uma das poucas artistas negras com visibilidade contínua na TV
Cacau Protásio é uma das poucas artistas negras com visibilidade contínua na TV
Foto: @cacauprotasiooficial / Reprodução

A atriz e comediante virou alvo de execrável discriminação – e não vale a pena reproduzir aqui os insultos – após rodar uma cena do filme 'Juntos e Enrolados' no Quartel-Central da corporação. Ela usou farda e dançou ladeada por bailarinos atacados por comentários homofóbicos no mesmo grupo do aplicativo de mensagens.

"E eu não mereço ser agredida assim", disse a artista. "Você pode não gostar, mas você tem que respeitar. E por que esse ódio? Eu juro que não entendo". Em outro trecho, ressaltou seu inconformismo. "Sou uma pessoa forte, mas ouvir tudo isso de um ser humano é horrível, é muito triste".

Por seu gênero, raça e peso, Cacau Protásio desacata a quem acha que pessoas como ela devem ficar à margem. Ela simboliza o atrevimento da ascensão social em um País onde a diversidade não é devidamente representada em círculos de prestígio – inclusive na TV onde se tornou um exemplo bem-sucedido.

Tentar diminuí-la com ofensas é a única resposta dos incomodados. Daqueles que não aceitam corpos fora dos padrões estético e comportamental louvados durante décadas na publicidade, na moda, nas novelas, e transmitidos de geração a geração. A atriz paga um preço alto por pisotear barreiras.

Cacau Protásio conquistou fama ao interpretar a empregada Zezé de 'Avenida Brasil' (2012), atualmente reprisada no 'Vale a Pena Ver de Novo'. A consolidação da carreira na TV aconteceu no 'Vai Que Cola', humorístico do Multishow, onde ela interpreta Terezinha Tizil há sete temporadas.

Sua presença no vídeo, em canais de audiência relevante, ajuda a combater múltiplos preconceitos e inspira pessoas como ela a acreditar que é possível ocupar espaços privilegiados. Mulher pode sim. Negro pode sim. Gordo pode sim. Não é um caminho fácil, mas é possível.

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade