0
Logo do Blog Sala de TV
Foto: iStock

Blog Sala de TV

Com novelas, Globo atiça a sexualidade do telespectador

Tramas do canal fazem o povo discutir aquilo que quase não se conversa em família

9 jan 2018
15h41
atualizado às 15h42
  • separator
  • comentários

 

Beijo entre namoradas em ‘Malhação – Viva a Diferença’. Final romântico de casal gay em ‘Pega Pega’. Homossexual enrustido arrancado do armário em ‘O Outro Lado do Paraíso’.

A sexualidade e suas intercorrências fazem parte do cotidiano da programação da Globo, emissora com mais audiência do País.

O canal leva até a sala do brasileiro temas considerados polêmicos e evitados na maioria das conversas entre pais e filhos.

A teledramaturgia deixou de destacar apenas romances clássicos entre galãs e heroínas e passou a exibir tramas a respeito de homossexualidade e casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O transexual gay Ivan (Carol Duarte) e seu namorado hétero Cláudio (Gabriel Stauffer): possibilidades muito além do que as novelas mostravam antigamente
O transexual gay Ivan (Carol Duarte) e seu namorado hétero Cláudio (Gabriel Stauffer): possibilidades muito além do que as novelas mostravam antigamente
Foto: TV Globo / Divulgação

Com isso, tirou o telespectador de sua zona de conforto. Nesse aspecto, a TV foi além da função de entreter: se tornou uma ferramenta de transformação social.

Por meio da ficção, mostra-se situações cotidianas pouco discutidas e dá-se visibilidade a conflitos íntimos e coletivos que grande parte das pessoas prefere fingir não ver (ou ter).

O abuso sexual de marido contra mulher em ‘O Outro Lado do Paraíso’, por exemplo. A calorosa paixão interracial também no atual folhetim das 21h. Ou a transexualidade reprimida e mal compreendida de ‘A Força do Querer’.

Ressalta-se também a liberdade e a diversidade sexuais, levando o público a conhecer – e se maravilhar ou chocar – com possibilidades que transpõem a heterossexualidade.

Muita gente aprova esse papel ‘libertador’ do mais popular veículo de comunicação do Brasil. Tantos outros reprovam o que consideram um desserviço à moral e aos padrões mais aceitos pela sociedade.

Ao explorar as múltiplas camadas do sexo e da sexualidade, a televisão convida o telespectador a encarar seus próprios desejos, dúvidas e preconceitos.

Contudo, ainda que seja poderosa influenciadora, a TV não tem a capacidade de mudar a sexualidade de ninguém.

Quem está seguro de sua orientação sexual jamais será perturbado por um personagem ou enredo discordante do que se é.

A televisão apenas instiga, como se fosse um eficiente afrodisíaco.

Veja também

 

Blog Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade