0

Obra em homenagem a Tutankamon arrecada milhões em leilão na Inglaterra apesar de protestos no Egito

4 jul 2019
19h30
  • separator
  • 0
  • comentários

Uma cabeça marrom de quartzito do jovem faraó egípcio Tutankamon foi vendida em um leilão em Londres por mais de 4,7 milhões de libras nesta quinta-feira, enquanto egípcios pediram o retorno da estátua a seu país de origem. 

Laetitia Delaloye, chefe de antiguidades da Christie's, posa ao lado da obra em homenagem ao faraó egípcio Tutankamon, em Londres. 4/7/2019. REUTERS/Peter Nicholls
Laetitia Delaloye, chefe de antiguidades da Christie's, posa ao lado da obra em homenagem ao faraó egípcio Tutankamon, em Londres. 4/7/2019. REUTERS/Peter Nicholls
Foto: Reuters

A escultura de mais de 3 mil anos, apresentada na casa de leilões Christie's, em Londres, mostra o rei infante tomando a forma do antigo deus egípcio Amon. 

Um comprador não identificado arrematou o busto por 4.746.250 libras (cerca de 5,97 milhões de dólares), incluindo a comissão, e de acordo com o preço estimado antes da venda, informou a Christie. 

Do lado de fora, 20 manifestantes em silêncio portavam cartazes com frases como "A história egípcia não está à venda". 

O Egito há muito exige o retorno de artefatos levados por arqueólogos e aventureiros do império britânico, incluindo a Pedra de Rosetta, mantida no Museu Britânico - há também campanhas paralelas da Grécia por esculturas originais do Parthenon, da Nigéria por esculturas de Bronze do Benin, e da Etiópia pelos tesouros de Magdala. 

"Somos contra nossa herança e nossos itens de valor serem vendidos como legumes e frutas", disse Ibrahim radi, um designer gráfico egípcio de 69 anos que protestava do lado de fora da Christie's. 

A peça de 28,5 centímetros de altura, com danos apenas nas orelhas e nariz, foi vendida pela coleção privada de arte Egípcia Resandro. 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade