0

Os Oscars perdidos: 20 atores vivos que você provavelmente pensou que já tinham estatuetas em casa

Enquanto nos aproximamos da temporada de premiações e da sua lista anual de filmes que servem de isca para prêmios, decidimos lembrá-lo de como a premiação pode ser imperfeita

8 out 2019
08h11
  • separator
  • 0
  • comentários

Peter O'Toole jamais recebeu um Oscar. Marilyn Monroe, Cary Grant ou Vincent Price também não. Isso, exatamente, mostra o quanto foram imperfeitas as premiações, apesar das melhores intenções da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

Enquanto nos aproximamos da temporada de premiações e da sua lista anual de filmes que servem de isca para prêmios, decidimos lembrá-lo de 20 atores vivos que você provavelmente pensou que já tinham estatuetas em casa - e os papéis pelos quais eles as deveriam ter conquistado.

Harrison Ford por 'Blade Runner, O Caçador de Andróides' (1982)

"Sutil" não é uma palavra que você usaria para descrever Han Solo ou Indiana Jones. Os dois personagens rondam pelos filmes com uma piscada lateral para o público, e nenhum deles tem uma vida interior particularmente complicada (a menos que você considere "odiar cobras" uma neurose). O protagonismo de Ford neste clássico de ficção científica mantém seu cinismo característico, até seu humor irônico. Mas a questão central - seu personagem Rick Deckard é humano ou replicante? - exigiu que o astro flexionasse alguns músculos novos, o que ele fez com tanta elegância que os fãs ainda discutem a resposta. Sim, a academia tende a ignorar injustamente o tipo de filme de gênero nos quais Ford brilha. Mas, neste caso, a Ford os transcendeu inteiramente.

Samuel L. Jackson por 'Febre da Selva' (1991)

O personagem Gator Purify de Jackson voa neste projeto de Spike Lee como um furacão. Ele é viciado em drogas, mas é tem consciência disso, observando que "realmente odeia bater em idosos por seu dinheiro" quando implora por dinheiro a seu irmão. Ele termina com uma música e dança com "Eu gosto de ficar chapado!" ('I like getting high!') É difícil não o amar, até que seu desespero apareça e vemos que seu exterior cômico esconde uma abrangente escuridão. Jackson costuma retratar personagens que vivem na tênue linha entre o claro e o escuro, mas nunca mais se arremessou entre os dois como um elástico puxado.

Glenn Close por 'O Reencontro' (1983)

Veja, ela foi indicada sete vezes e merece cerca de sete Oscars, se não mais. Neste ponto, foi além do trágico para simplesmente deixar todos nós em território estranho. Pense em quanta angústia poderíamos ter economizado como cultura - aquela miséria familiar de vê-la acionar suas habilidades dramáticas na cerimônia, aplaudindo educadamente enquanto outra pessoa vencia, uma vez mais - se pelo menos a academia tivesse lhe dado um pequeno troféu de atriz coadjuvante no início, talvez para um de seus dois primeiros filmes, os quais lhe renderam acenos de aprovação. Nosso voto é por sua atuação como Sarah, uma das várias antigas amigas que lamentam a perda do amigo Alex. Em um filme cheio de estrelas, Close é o coração pulsante, exibindo todo o espectro do luto em seu limitado tempo em cena. De soluçar incontrolavelmente sob uma ducha, a dançar alegremente com as amigas, para sufocar com a culpa de seu caso de longa data com o falecido, Close provou que podia fazer qualquer coisa. E nas décadas seguintes, ela o faria. Talvez alguém deveria ter-lhe dado um maldito prêmio por isso?

Brad Pitt por 'Clube da Luta' (1999)

Alguns personagens são ícones, alguns desempenhos são icônicos - mesmo que sejam mal compreendidos. Pitt como Tyler Durden se encaixa nas duas categorias. A única coisa mais memorável do que a imagem de Durden, sem camisa e corpo esculpido, se preparando para uma luta é citação que ele faz das duas primeiras regras do Fight Club. (Existe uma frase em história recente que seja citada com mais frequência?) Legiões de irmãos de fraternidade e caras supremacistas sustentaram o personagem como o epítome do cool masculino; leva muitos espectadores a assistir algumas vezes para perceber o quanto a história está realmente zombando dele. A masculinidade tóxica pode ser uma palavra da moda nesta época - mas David Fincher e Pitt adotaram o conceito duas décadas atrás, de forma mais concisa do que qualquer editorial poderia dar conta.

Michael Keaton por 'Os Fantasmas se Divertem' (1988)

A academia tende a recompensar uma atuação séria entre aspas, então não há como Keaton ter sido considerado, por sua vez, como o pateta, maluco e morto-vivo Betelgeuse. Mas está dizendo algo que não aparece até a metade de um filme cujo nome é o de seu próprio personagem e do qual ele toma conta completamente. O modo de andar, a voz, as roupas, os cabelos - tudo veio de Keaton tentando interpretar a visão de Tim Burton, e, gente, essa é uma parceria feita no céu.

John Malkovich por 'Quero ser John Malkovich' (1999)

Não há papel mais difícil do que interpretar a si mesmo, a não ser talvez interpretar outras pessoas interpretando a si mesmo. O filme onírico centra-se nos funcionários de escritório que encontram um portal secreto na mente do idiossincrático ator. A certa altura, Malkovich encontra o portal em sua própria mente, levando-o a um restaurante em que todo consumidor é Malkovich. Há um Malkovich de vestido rosa apertado, sedutoramente, passando um dedo sobre o decote (dele, dela?). Há um trio de Malkoviches, europeus e esnobes, de gola rolê preta, rindo com seus copos de vinho. Há um Malkovich de terno alimentando sua companhia, um Malkovich revestido de vermelho, alimentando seu parceiro. Há uma cantora de salão Malkovich esparramada sobre um piano e cantando "Malkovich, Malkovich" - a única palavra no idioma falado por esses Malkoviches. O que mais você precisa saber? (Mas, ôpa, como Pitt e Malkovich iriam vencer juntos, em 1999?)

Eddie Murphy em 'Dreamgirls: Em Busca de um Sonho' (2006)

Os quadrinhos têm um papel difícil em papéis dramáticos. Nossa familiaridade com suas personas de palco geralmente nos impede de suspender nossa descrença. Murphy, no entanto, desapareceu completamente em James "Thunder" Early, um conjunto de vários cantores de R&B, principalmente James Brown e Little Richard. Ele é espirituoso no palco e rabugento fora dele, ao mesmo tempo em que decai para o vício nas drogas que o mata. O desempenho de Murphy chocou o público; o produtor John Davis assistiu a cinco minutos do filme e declarou que "Eddie definitivamente ganhará o Oscar". Para ser franco, ele está tão inesquecível quanto Alan Arkin o foi em Pequena Miss Sunshine - mas a academia havia perdido tantas oportunidades de dar ao ator mais velho o Oscar que ele merecia, que decidiram esnobar Murphy. Desculpe, mas dois erros não fazem um acerto.

Mia Farrow em 'O bebê de Rosemary' (1968)

Fale sobre uma aula magna em conflitos internos. Durante uma boa parte do filme, Farrow precisou retratar a titular Rosemary Woodhouse como uma psicótica por achar que tinha sido engravidada por um demônio. Então, quando fica claro que ela não ficou louca, ela fica dividida entre seus instintos maternos e o conhecimento de que sim, ela está carregando a semente de Satanás. Ao longo do filme, ela atua com seus olhos arregalados e luminosos - sempre úmidos, de alegria, medo, raiva ou tristeza. Ela torce e contorce seu corpo coberto por uma camisola, sinalizando sua submissão ao mal sobrenatural. Ao fazer isso, ela estabelece um modelo que os atores de filmes de terror seguiriam nas próximas décadas.

Joaquin Phoenix por 'Eu Ainda Estou Aqui' (2010)

Então, talvez seja pedir demais para a academia recompensar uma declaração artística que basicamente equivale a uma trollagem. Desanimado com o fato de tantos telespectadores se apaixonarem por reality shows, Phoenix deixou a barba crescer, tornou-se em geral desleixado e anunciou sua aposentadoria como ator para se tornar um rapper. Por vários meses, ele não fugiu do personagem ... nunca. Ele é um idiota em todo esse tipo de documentário irônico, mas como ele está comprometido! Observar David Letterman tentando desesperadamente tirar algo dele, ou Ben Stiller tentando discutir um papel para ele em O Solteirão, só para descobrir que Phoenix não leu o roteiro, é altamente desconfortável - o Oscar é por atuação e não há como negar. Phoenix preenche completamente o papel.

Jim Carrey em 'O Mundo de Andy' (1999)

O cômico antes conhecido por pastelões absurdos, queria tanto se tornar Andy Kaufman para esta biografia, que ele se recusou a sair do personagem durante toda a produção. Isso criou uma tal perturbação no set que o estúdio se recusou a divulgar imagens dos bastidores. Mais tarde, apareceu no documentário da Netflix Jim & Andy, que testemunha o processo de Carrey "deixar de existir", como ele disse. A transformação é tão completa que, às vezes, você esquece que está assistindo um dos comediantes mais famosos do nosso tempo e, em vez disso, acredita realmente que está assistindo um dos mais controversos. É uma pena que Carrey não existisse durante as filmagens, porque se ele existisse, certamente teria merecido a estatueta. (É, você já sabe, junto de Pitt e Malkovich.)

John Goodman por 'O Grande Lebowski' (1998)

O esquentado veterano do Vietã de Goodman, Walter, carrega uma pistola para o boliche, não se prepara para o Shabat, não gosta de conversar com Donny e sabe como conseguir uma mulher, se é disso que você precisa, cara. Os irmãos Coen criaram muitos personagens para o imponente ator ao longo dos anos, mas nenhum tão incisivo quanto Walter. É a forma como ele começa suas frases, em um tom normal antes de começar a gritar ataques que sempre conseguem voltar para 'Nam. "O chinês não é o problema aqui, cara! Estou falando de traçar uma linha na areia, cara, linha que você não cruza", ele late, antes de retornar abruptamente para a sua voz interior. "Além disso, cara, 'China' não é a nomenclatura preferida. 'Americanos asiáticos', por favor." Quase todas as leituras de suas frases merecem um Oscar. Apenas tente ler esta citação e não ouvir em sua voz: "Isto não é 'Nam, isso é boliche - existem regras".

Emily Watson por 'Hilary e Jackie' (1998)

Então, vamos esclarecer isso. Gwyneth Paltrow vence Emily Watson por um Oscar aos 26 anos, por sua atuação em um drama de fantasia (Shakespeare Apaixonado) - enquanto isso, Watson é desprezada por, ora não sei, sua CARREIRA INTEIRA? Vocês encaram isso numa boa? Sim, achei que não. Jogue um dardo na página de Watson no IMDb e você acertará um filme que deveria ter-lhe valido uma estatueta. O centro do alvo é sua queda como Jacqueline du Pré, uma violoncelista e uma irmã ciumenta, uma infeliz musicista, que eventualmente sucumbe à esclerose múltipla. Raramente um ator despejou tanta paixão crua no que poderia ser uma peça de época tensa. Mas, como mostra esta lista, definitivamente não é raro a academia desprezar um desempenho glorioso.

Amy Adams por 'O Mestre' (2012)

Philip Seymour Hoffman e Joaquin Phoenix receberam a maioria das cenas grandes, explosivas e emocionalmente propulsoras do filme de Paul Thomas Anderson, mas Peggy Dodd, de Adams, esposa do líder do culto da Califórnia, Hoffman, tem o trabalho mais difícil. Ela é a mestre de marionetes, a Lady Macbeth tomando as decisões nos bastidores. Enquanto isso, ela deve apresentar um rosto feliz e subserviente em público. Adams alcança a dicotomia através de uma certa quietude, a de um animal percebendo tudo e pronto para atacar sempre que necessário, emoções apenas piscando ligeiramente em seus olhos, capturadas só pelo público.

Liam Neeson por 'A Lista de Schindler' (1993)

Embora Neeson não estivesse particularmente satisfeito com sua atuação nesse papel - ele alegou que ele era controlado minuciosamente por Steven Spielberg - praticamente o restante do público do cinema estava. Tornou-se fácil minimizar o filme todos esses anos depois, devido, em grande parte, ao fato de Seinfeld tê-lo usado como frase de efeito. Mas é uma das verdadeiras obras-primas do nosso tempo, com grande crédito a Neeson. Seu brilhantismo vem de retratar Schindler não como um herói de coração puro, mas como um vigarista conivente que ele era, um cachaceiro lascivo que originalmente empregava judeus porque seus salários eram menores e termina com o compromisso de salvá-los. Ele nunca disse nada disso, mas após 184 minutos, não há a menor dúvida. (Além disso, ele com certeza não está ganhando um Oscar por Busca Implacável 6)

Angela Bassett, por 'Tina - A Verdadeira História de Tina Turner' (1993)

Sabe quem acha que Angela Bassett mereceu um Oscar pelo seu papel como Tina Turner? Foi Angela Bassett, que disse isso em 2018. Sabe o que mais? Ela estava certa. Retratar uma pessoa real é uma isca para o Oscar, mas Bassett é totalmente elétrica quando está no palco. Fora do palco, sua Turner é um rato, olhos arregalados e perdida no mundo dos contratos recordes e dos gerentes abusivos transformados em amantes. Observar essa transição ocorrer sem interrupções repetidas vezes, desde tentativas de suicídio até altas baladas, é observar um mestre no trabalho.

Ed Norton por 'A Outra História Americana' (1998)

Com uma grande suástica preta tatuada no peito esculpido e um sorriso de escárnio nos lábios depois de filmar e ferir ao pisotear um par de homens negros na abertura do filme, Derek Vinyard, de Norton, é uma encarnação vívida da assustadora filosofia que vemos com frequência nas notícias de hoje, sem a camuflagem de roupas cáqui, polos e tochas de bambu. O que tornou a performance digna de Oscar, no entanto, é a maneira como Norton levou a plateia de um lugar de puro desprezo à surpreendente empatia por Vinyard depois que ele é reformado por um período de três anos na prisão.

Don Cheadle por 'Hotel Ruanda' (2004)

Desde O Diabo Veste Azul e Irresistível Paixão, conhecemos Cheadle como um ator explosivo - às vezes maníaco, às vezes hilário, sempre com uma presença enorme. Infelizmente, essas performances imponentes não costumam acontecer no tipo de filme que recebe o Oscar. Até que, maldição, Cheadle participou de um filme sobre o massacre de Ruanda. Ele fez tudo o que a academia ama: assumiu um tema histórico desafiador; usou o carisma e atuou tanto com o rosto quanto com o corpo; adotou um sotaque e acertou em cheio; retratou um herói silenciosamente nobre - sem armas, apenas um gerente de hotel extremamente competente. E, no entanto, ele foi desprezado. Agora que ele passou para a sua fase de super-herói, filmes e prestígio, parece que a academia pode ter perdido sua oportunidade com ele. Bem, a academia não tem ninguém para culpar além de si mesma.

John Travolta para 'Pulp Fiction: Tempo de Violência' (1994)

Décadas se passaram desde seus gloriosos dias de dança em Grease: Nos Tempos da Brilhantina e Os Embalos de Sábado à Noite; antes de conhecer Quentin Tarantino, ele estava aparecendo na mais recente repetição da franquia Olha Quem Está Falando. Mas com o seu papel de Vincent Vega, ele estava de volta - não apenas discutindo com sua antiga persona, mas também se reinventando no processo. Não, o Oscar não deve ir a atores apenas por reabilitar suas carreiras, mas sim a atores que podem explicar por que os "Quarter Pounders" são chamados na França de maneira tão carismática, que mesmo aqueles sem o menor interesse em filmes podem lembrar disso um quarto de século depois. De qualquer forma, sejamos honestos: ele não está ganhando por mais nada hoje em dia.

Donald Sutherland por 'M.A.S.H.' (1970)

Como diabos ele está nessa lista? A sério. Cara, ele nunca foi nomeado para um Oscar. A academia nunca ouviu falar de Os Doze Condenados? Ou Inverno de Sangue em Veneza? Ou Klute, O Passado Condena? Que tal Casanova de Fellini? Essas pessoas assistem filmes? Veja: a versão maluca e mal-humorada de Alan Alda de Hawkeye Pierce se tornou um dos personagens de séries mais famosos da TV, mas esquecer a visão original de Sutherland de um dos personagens mais vitais dos Estados Unidos no filme de Robert Altman é um erro grave. Ele era responsável pelo médico que bebia martini, que costumava sair da linha (porque a guerra é um inferno), enquanto salvava vidas no processo. Sua capacidade de mostrar a humanidade e a desumanidade da guerra ajudou a lançar uma das sitcoms mais populares da história e criou um personagem que vive em nossa memória coletiva. No entanto, a covarde academia esperou até que ele completasse 82 anos para lhe dar sua versão de um mea culpa: um Oscar honorário.

Robert Downey Jr. por 'Trovão Tropical' (2008)

"Eu sou um cara, interpretando um cara, disfarçado de outro cara." É o que diz Downey Jr. como Kirk Lazarus, o fictício ator australiano cinco vezes vencedor do Oscar que se submete a uma cirurgia de "alteração de pigmentação" para escurecer a pele para um papel de soldado negro no filme de guerra de grande orçamento de Hollywood. Ver Downey Jr. com o rosto negro em 2008 foi chocante, mas ainda mais chocante foi o quão incontroverso ele se mostrou. O personagem leva a ideia do Método atuando além de seu extremo, satirizando profundamente muitos dos atores sérios que ganharam o Oscar. O prêmio teria sido uma admissão de que, como você sabe, talvez Hollywood se leve a sério demais.

Tradução de Claudia Bozzo

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade