PUBLICIDADE

Paulo Thiago (1945-2021)

5 jun 2021 17h10
ver comentários
Publicidade
Foto: Divulgação/Vitória Produções Cinematográficas / Pipoca Moderna

O cineasta Paulo Thiago, um dos maiores talentos do cinema brasileiro, morreu durante a madrugada deste sábado (5/6), aos 75 anos, no Rio de Janeiro. Ele estava internado no hospital Samaritano desde o dia 7 de maio e sua morte foi causada por uma parada cardíaca após uma doença hematológica.

Nascido em Aimorés, em Minas Gerais, o diretor foi morar no Rio de Janeiro ainda criança. Ele chegou a cursar economia e sociologia política na PUC, mas seus dias de universitário acabaram lhe desenvolvendo a paixão pelo cinema e o lançando numa trajetória completamente diferente de seus planos originais.

Seu primeiro filme foi o documentário "A Criação Literária de João Guimarães Rosa", lançado em 1969, que chegou a ser premiado no Festival de Santarém, em Portugal.

No ano seguinte, lançou seu primeiro longa-metragem de ficção, "Os Senhores da Terra", também reconhecido internacionalmente ao ser incluído no Festival de Karlovy Vary.

Seus próximos trabalhos o consagraram de vez. "Sagarana, o Duelo" (1974) foi selecionado para a mostra competitiva do Festival de Berlim e "Soledade, a Bagaceira" (1976) foi premiado no Festival de Brasília.

Ele também fez "Batalha dos Guararapes" (1978), que se tornou um dos primeiros épicos do cinema brasileiro, e "Águia na Cabeça" (1984), pioneiro ao abordar o jogo do bicho e a contravenção do Rio.

Ao longo da carreira, Paulo Thiago se especializou em retratar o homem comum em luta contra adversidades maiores que suas capacidades, e essa temática teve seu auge em "Jorge, um Brasileiro" (1989), centrado num caminhoneiro com uma missão de entrega impossível, que refletia as condições da categoria.

Com seus trabalhos, também participou da retomada do cinema brasileiro nos anos 1990, alcançando sucesso com "Vagas Para Moças de Fino Trato" (1993), premiado no Festival de Brasília, e "Policarpo Quaresma, Herói do Brasil" (1998), sobre um populista fanático de direita que busca o poder e hoje parece terrivelmente premonitório.

O diretor dedicou duas obras consecutivas ao poeta Carlos Drummond de Andrade, o documentário "Poeta de Sete Faces" (2002) e a ficção "O Vestido" (2003), adaptação de um poema do escritor. Por sinal, essa era outra característica de sua filmografia. Depois de estrear com "A Criação Literária de João Guimarães Rosa", ele filmou "Saragana", de Guimarães Rosa.

A alternância ainda se refletiu de forma temática em dois filmes seguidos com fundo musical, "Coisa Mais Linda: Histórias e Casos da Bossa Nova" (2005), documentário sobre a Bossa Nova, e "Orquestra dos Meninos" (2008), a história de Mozart Vieira, que ensinou música a crianças pobres de Pernambuco e, recusando-se a participar do jogo político local, sofre vingança e tem seu trabalho questionado por uma falsa acusação de abuso de alunos.

"Orquestra dos Meninos" serviu como resumo da temática mais emblemática do diretor, exemplificando a luta de brasileiros para melhorar de vida e de país, sempre em luta com interesses de poderosos, fossem os coronéis de "Os Senhores da Terra" ou a manipulação política da "Batalha dos Guararapes".

O diretor ainda fez "Doidas e Santas" (2016), a rara comédia de sua carreira, e "A Última Chance" (2017), exibido no Festival do Rio e protagonizado por Marcos Pigossi, sobre a história de um ex-presidiário que se redime graças às artes marciais (ele fez um documentário sobre esse personagem real em 2013), além de "Memórias do Grupo Opinião" (2019), que esteve na 24ª edição do festival É Tudo Verdade, apresentando a trajetória do grupo teatral carioca Opinião, marco da resistência contra a ditadura.

Entre os projetos que desenvolvia, ficaram incompletos "Rabo de Foguete", filme baseado na obra de Ferreira Gullar, e um documentário sobre o grupo musical MPB4.

Mas Paulo Thiago não foi só diretor.

Ele produziu filmes como "Engraçadinha" (1981), de Haroldo Marinho Barbosa, "O Bom Burguês" (1983), de Oswaldo Caldeira, "Fulaninha" (1986), de David Neves, "Beijo na Boca" (1986), de Euclydes Marinho e "Aparecida, O Milagre" (2010), de Tizuka Yamasaki.

Também presidiu o Sindicato da Indústria Cinematográfica e Audiovisual do Rio de Janeiro e a Associação Brasileira de Produtores Cinematográficos, além de ter sido um dos fundadores da Associação Brasileira dos Cineastas.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade