0

Os desafios do Oscar 2019: mais curto e prêmios históricos

A 91.ª cerimônia de entrega do Oscar será neste domingo, 24, em Los Angeles - com transmissão pela TV e internet

24 fev 2019
03h10
atualizado às 09h59
  • separator
  • 0
  • comentários

LOS ANGELES - Quando o cantor Adam Lambert iniciar uma homenagem ao grupo Queen, exatamente às 17 horas deste domingo, 24, em Los Angeles (20h em Brasília), os organizadores da 91.ª cerimônia de entrega do Oscar vão ligar o cronômetro e cruzar os dedos - vai começar uma contagem regressiva que, esperam eles, não ultrapasse as três horas de duração. Afinal, o fantasma do ano passado, quando a festa de Hollywood durou quase quatro horas e foi vista por "apenas" 26,5 milhões de espectadores nos Estados Unidos (a pior marca desde que o Oscar passou a ser televisionado, em 1953), ainda assombra os produtores, que tomaram diversas atitudes (algumas descabidas) para evitar a piora na derrocada.

Estatueta do Oscar em Los Angeles
15/02/2019 REUTERS/Mario Anzuoni
Estatueta do Oscar em Los Angeles 15/02/2019 REUTERS/Mario Anzuoni
Foto: Reuters

Uma delas foi não escolher um artista para ser o âncora da festa, algo que não acontecia desde 1989. Assim, não haverá um número musical satirizando os indicados, tampouco um discurso bem-humorado - ainda que, extraoficialmente, circulou a notícia de que Whoopi Goldberg surgiria de surpresa, assumindo a missão, mas nada foi confirmado. Para amenizar a ausência de um apresentador principal, uma legião de estrelas vai passar pelo palco do Dolby Theatre trazendo os envelopes com o nome dos ganhadores, nomes como os já confirmados Javier Bardem, Emilia Clarke, Samuel L. Jackson, Tina Fey, Whoopi Goldberg, Brie Larson, Jennifer Lopez, Charlize Theron, Chadwick Boseman, Helen Mirren, Daniel Craig, Michael B. Jordan, Michael Keaton, Chris Evans, Melissa McCarthy, Jason Momoa e Sarah Paulson.

Para apresentar os oito indicados para o Oscar de melhor filme, foram convidadas personalidades que não atuam diretamente no mundo do cinema, como a tenista Serena Williams e o chef espanhol José Andrés. Já o maestro venezuelano Gustavo Dudamel vai reger a Filarmônica de Los Angeles durante o momento em que serão lembrados os artistas e profissionais que morreram no ano passado. A meta é não perder a agilidade.

"Planejamos para que o primeiro Oscar seja entregue já no sexto ou sétimo minuto da cerimônia", anunciou Glenn Weiss, uma das produtoras do evento. Ela, aliás, no almoço que reuniu, na quinta-feira, 21, a maioria dos indicados, rogou para que todos os vencedores não ultrapassassem os 90 segundos em seus agradecimentos. "Colaborem e assim todos poderão ir cedo para as festas pós-cerimônia", brincou.

Se a duração dos discursos pode até ser controlada, o mesmo não se pode dizer de seu conteúdo. No ano passado, quando fervilhavam importantes movimentos como o #MeToo, a cerimônia tornou-se política. Isso, no entanto, foi um dos motivos apresentados pela queda de audiência. E o que esperar neste ano, com tantos filmes abertamente políticos?

Uma pesquisa entre usuários do Twitter nos Estados Unidos apontou que muitos não estão dispostos a assistir à cerimônia do Oscar por conta de seu "caráter político". Outra consulta com possíveis espectadores americanos descobriu que 39% deles podem desligar a TV pelo mesmo motivo. "Político", no entendimento dessas pessoas, significa discursos de aceitação partidária. Seguindo esse raciocínio, é de se esperar, portanto, uma nova queda na audiência da transmissão uma vez que, entre os oito indicados para o Oscar de melhor filme, seis apresentam enredos com fortes cores políticas - as exceções seriam Nasce uma Estrela e Bohemian Rapsody.

Daquela meia dúzia, um é escancaradamente político: Vice, que apresenta de forma até cômica a trajetória do ex-vice-presidente dos EUA Dick Chaney. Já Infiltrado na Klan apresenta uma trama que põe em confronto o racismo do grupo Ku Klux Klan com o poderoso movimento do poder negro na década de 1970. E Pantera Negra recria a clássica série de HQ sobre dois primos que lutam pelo trono de uma superpotência africana fictícia. Por falar em realeza, A Favorita concentra sua trama na disputa entre duas mulheres pela influência política que cerca a rainha Anne. E, mesmo que não seja tão evidente quanto os quatro anteriores, Green Book - O Guia percorre também por caminhos do racismo ao mostrar um pianista negro tentando se impor pelos direitos civis, na década de 1960. E, finalmente, Roma toma um rumo sombrio quando um protesto estudantil da Cidade do México se torna violento.

Ao observar um número tão expressivo, o crítico Ben Zauzmer, do New York Times, analisou todos os 554 filmes já indicados para o principal Oscar em toda a história do prêmio e concluiu que, com esses seis indicados, a cerimônia de 2019 empata com a de 1944, que também apresentava meia dúzia de produções com forte teor político. Ambas só perdem para a festa de 1943, que tinha sete longas com tal característica. O mundo naquela época, no entanto, sofria com a 2.ª Guerra, o que justificaria as vitórias de Rosa da Esperança (1943), um filme com forte mensagem patriota e de engajamento, e de Casablanca (1944), clássico conto de intrigas políticas da guerra, estrelado por um expatriado americano que reluta em ser herói.

Retornando aos dias atuais, a Academia de Hollywood tem a chance, segundo a maioria dos críticos, de revelar um avanço em seus ideias considerados conservadores se premiar Pantera Negra ou Roma - com esse último, aliás, quebraria duas barreiras: eleger um filme em língua estrangeira e produzido por uma companhia sem tradição cinematográfica, a Netflix. Seja quem for, um discurso político parece iminente.

Já pensando nisso, Peter Mehlman, roteirista e produtor da série Seinfeld, escreveu um divertido artigo para o NYT em que prega a emenda do Não Agradecimento, em que os vencedores evitariam citar os "cerca de 50 parentes e conhecidos" e que tornaria o tom político do discurso em algo "altamente opressivo, possivelmente polarizador e certamente incoerente". Com isso, talvez a audiência possa subir.

Onde assistir ao Oscar

Oscar na TV

A cerimônia de entrega do Oscar de 2019 será neste domingo, 24, com início às 22h pelo horário de Brasília.

No País, o Oscar será transmitido por dois canais, de TV aberta e fechada. Na Globo, a transmissão vai iniciar com alguns prêmios já entregues, por começar apenas após o programa Big Brother Brasil 19.

O Oscar será transmitido também pelo canal pago TNT, que inicia a exibir o tapete vermelho já às 21h. A premiação começa às 22h e será transmitida na íntegra pelo canal.

Para quem gosta de acompanhar o tapete vermelho, o desfile de celebridades que participam da premiação será transmitido pelo canal pago E! a partir das 19h.

Oscar na internet

Os assinantes da TNT podem assistir à premiação por meio do serviço de streaming do canal, o TNT GO. É possível, também, acompanhar a premiação ao vivo no próprio site do Oscar.

O Estado também vai acompanhar a premiação minuto a minuto, com informações do editor do Caderno 2, Ubiratan Brasil, direto de Los Angeles, e com comentários dos críticos Luiz Carlos Merten e Luiz Zanin.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade