PUBLICIDADE

Artistas pedem exclusão de Israel da Bienal de Veneza

Evento acontece entre 20 de abril e 24 de novembro

27 fev 2024 - 09h03
(atualizado às 09h06)
Compartilhar
Exibir comentários

Milhares de artistas, instituições e entidades culturais pediram nesta terça-feira (27) a exclusão de Israel da próxima Bienal de Arte de Veneza, que acontece entre 20 de abril e 24 de novembro.

Instalação da última Bienal de Arte de Veneza, em 2022
Instalação da última Bienal de Arte de Veneza, em 2022
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

A solicitação está em uma carta com mais de 8 mil signatários enviada à direção da Fundação da Bienal. "É inaceitável hospedar um Estado empenhado nas atrocidades em curso contra os palestinos em Gaza", diz o documento, que chama o pavilhão israelense no evento de "pavilhão do genocídio".

A carta ainda lembra que a África do Sul foi proibida de participar da Bienal de Arte durante o Apartheid, regime de segregação racial que vigorou entre 1948 e 1994, e que os organizadores condenaram "a inaceitável agressão militar da Rússia [contra a Ucrânia]" e se negaram a colaborar com apoiadores da invasão.

Ao mesmo tempo, os artistas criticam o "silêncio" da Bienal de Veneza sobre "as atrocidades de Israel contra os palestinos".

"Estamos chocados com esse duplo padrão. Qualquer trabalho que represente oficialmente o Estado de Israel constitui uma aprovação de suas políticas genocidas. Não existe liberdade de expressão para poetas, artistas e escritores palestinos assassinados, calados, encarcerados e torturados", diz a carta.

A Bienal de Veneza ainda não se pronunciou sobre o pedido. A 60ª edição da exposição artística tem o brasileiro Adriano Pedrosa como curador e será focada no tema "estrangeiros".

Ansa - Brasil   
Compartilhar
Publicidade
Publicidade